no centenário de joaquim namorado (memórias de uma amizade)


a universidade vista de casa de meus pais

a universidade vista de casa de meus pais

no centenário do nascimento de joaquim namorado,  aqui ficam algumas memórias das conversas, muitas, que mantivemos ao longo de alguns anos.

em coimbra foi o matemático, poeta, crítico, ensaísta, joaquim namorado, quem encarnou a cidade, onde tanto ele como eu éramos estrangeiros: o joaquim de alter e eu de …..

nas nossas conversas no tropical, não foram muitas mas intensas, muito aprendi com ele. quando morreu em 84, vivia eu em braga, morreu para a mim a praça da república.

fica aqui a memória de uma conversa curta:

– dr. joaquim, não se esqueça de que não é por acaso que chamam a coimbra “lusa atenas”.

– oh cravo, lusa apenas, cravo, lusa apenas….

igreja de sta cuz, 8 de maio

igreja de sta cuz, praça 8 de maio

 

eu e joaquim namorado, no tropical, anos 70 e 80

certo dia a conversa recaiu sobre a construção do poema, como se chegava à escrita do verso.

eu – disse joaquim namorado – escrevo sempre primeiro em prosa, tudo seguido. depois vou à procura de ritmos e começo a partir em versos, a seguir leio tudo de novo e vou limpando o que acho que está a mais e burilo o poema.

por vezes o produto final tem pouco a ver com a primeira escrita, mas a ideia inicial está lá.

um exemplo: na década de 50 andava tudo desanimado e começaram-se a escrever poemas sobre viagens aos mares do sul. eu também tentei. comecei a escrever, escrevi, escrevi e apliquei o método do costume. o poema ficou assim:

título

“a minha viagem aos mares do sul”

poema

“e eu não fui lá”

era assim joaquim namorado.

DSC_4934

eu e joaquim namorado, no tropical, anos 70 e 80 (cont.)

uma das máximas de joaquim namorado era:

– cravo, nunca dês nada. ninguém da valor ao que não paga.

um dia, depois de uma noite que nem sei se dormi, sentei-me pela manhã num café ao lado tropical, o “piolho” e com uma cerveja na mão, foi um despejar de palavras.

depois de ter afinado o que tinha escrito, fui à Associação Académica (AAC) e numa máquina de escrever despejei em duas folhas o que tinha escrito: ” dis(re)curso da loucura, ou outra maneira de falar da praça da república”. do original tirei 100 cópias, agrafei as duas folhas e fui-me para o tropical.

à mesa do costume, a tomar a bica, lá estava joaquim namorado. não resisti:

– dr. joaquim, acabei agora mesmo de o escrever, são 25 tostões (2$50). quer um?

– oh cravo, tu a mim não vendes, dás.

– nem pensar, ou compra ou nada

não comprou

em pouco tempo vendi os 100 exemplares e, como a procura continuava, regressei à AAC, escrevi na primeira página, ao cimo, 2ª edição, tirei mais cópias e regressei à praça.

joaquim namorado continuava sentado à mesma mesa. voltei ao ataque:

– dr. joaquim, ainda não quer comprar? olhe que já vai na 2ª edição.

– tá bem cravo, toma lá os 25 tostões

o poema foi depois publicado num número especial da Via Latina, revista da AAC.

 e é este:

dis(re)curso da loucura ou outra maneira de falar da praça da república

 

ave lexotan

ave vallium

ave lexotan

ave santos profanos

ave caminhos perdidos para o infinito

ave rosete

ave chiclete

ave danças sem febre

e à semana

ave fuga

ave loucura

ave mesas espartilho

desta praça prisão

ave vendedores de bolas de sabão

ave jorge fallorca

ave só rock

ave tardes de feriados

tardes inúteis de cafés fechados

e partidas para o sul

ave estudantes que não estudais

e

ave também oh sábios

que marrais, marrais, marrais

ave consumidores de haxe

e outras práticas iniciáticas

ave mês de junho

preâmbulo do desejo

ave praias

angústia súbita e longínqua

de mar e azul

ave chris

ave regresso infindo

a esta merda de quotidiano

ave oh tangueado

que nunca deixarás de o ser

e é teu o reino do engano

ave oh eterno sonhador

que conheces o caminho da loucura

e desconheces o do rancor

ave oh marginal

que estás lado

(o centro é coisa de poder)

ave sábados à tarde

ave também oh eu

que sou tudo isto

e mais não posso ser

(convém lembrar de que estávamos nos inícios de 80 e o poema é muito datado)

DSC_4726

 

eu e joaquim namorado, no tropical, anos 70 e 80 (cont.)

 

o joaquim tinha a sua tertúlia de modo que as nossas conversas/encontros eram sempre no intervalo.

o mestre e o marginal. o estalinista e o esquerdista.

joaquim namorado era matemático e tinha sido assistente da faculdade de ciências, até que foi expulso da função pública por ser membro do partido comunista, motivo pelo qual também esteve preso. passou a viver de explicações de matemática que dava aos alunos da faculdade onde antes ensinara.

depois do 25 de abril foi reintegrado e leccionou a cadeira de história das ciências.

das nossas conversas sobre política e universidade recordo 3 máximas:

– nesta época de pragmatismo o grande desafio é ser dogmático

– coimbra é um monte de merda com um gato morto em cima que é a universidade

– vocês querem reformar a universidade, mas aquilo não se reforma, destrói-se

( e eu é que era o esquerdista….)

um belo dia de fim de primavera, tínhamos tomado o café no tropical e decidimos dar um passeio pela praça da república – fazer piscinas. junta-se a nós um colega meu, intelectual da mais pura gema, trotskista, recém-chegado do porto.

entrou na conversa e não deixou de pedir a opinião ao dr. joaquim namorado sobre trotski.

o joaquim fez uma análise demorada e bastante interessante sobre a obra do trotski, que ia deixando enlevado o ouvinte.

quando já estava o rapaz embalado no ouvir um estalinista dizer tão bem de trotski, joaquim namorado remata:

– trotski só tinha um defeito

– qual era dr. joaquim? (perguntou, ansioso, o meu colega)

– não era marxista!

um balde água fria à joaquim namorado. era assim sempre, provocatório e intenso.

 

DSC_3936

 

eu e joaquim namorado no tropical, onde mais?

numa daquelas manhãs em que nos cafés as mesas são dos que ainda têm tempo, estava eu a conversar com o joaquim, no silêncio do tropical, quando de repente ele me pergunta:

– tens aí o carro, cravo?

– leva-me já aos covões, à cardiologia

peguei nas chaves, levantámo-nos e saímos. durante o caminho ainda lhe perguntei se sentia bem, a resposta foi à joaquim:

– cala-te e guia!

entrámos pelas urgências e fomos direitos à cardiologia. o diagnóstico foi rápido: enfarte.

ficou internado durante uns dias e saiu com pacemaker.

tempos depois, em mas uma das nossas curtas conversas, sai-se, espantosamente, com esta:

– cravo, tenho os dois volumes da primeira edição do orpheu e vendo-tos por 5 contos.

eu, que de bibliófilo nada tinha, devorava palavras sem importar que edição, respondi:

– oh dr joaquim mas eu tenho-os e já os li.

não muito tempo passado, vivia eu em braga, em 1986, o joaquim morre de leucemia em coimbra. nunca vi tantos homens juntos a chorar.

entendi então o que ele pretendia ao querer vender-me a primeira edição do orpheu. era uma prenda de amigo mas, utilizando a sua velha máxima “não se dá valor ao oferecido”, tinha de ser vendida. não sei quanto vale hoje uma primeira edição do orpheu, nem se as há disponíveis.

ficou-me, isso sim, para sempre, a dor de não ter ficado com uma lembrança de joaquim namorado e isso não tem preço.

joaquim namorado abriu-me as portas de grandes escritores, ensinou-me a ler, que é algo mais do que soletrar letras.

(aqui ficam estas breves estórias de uma amizade que me marcou para sempre)

Anúncios

2 thoughts on “no centenário de joaquim namorado (memórias de uma amizade)

  1. Só por si este texto merecia ser publicado…e deveria ser!…nem que seja um capítulo de vidas da sua vida, ou coisa assim.
    António Ferro Piçarra

  2. obrigado antónio ferro. penso que este texto foi um dos incluídos na biografia de joaquim namorado, editada pela “lápis de memórias” e da autoria de jaime do couto ferreira. abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s