coimbra, 25 de abril de 2018


o meu amigo jaime

ahcravo_DSC9977_jaime

o que a vida separa
há datas que unem

hoje estivemos em festa
jaime

a festa de abril
a festa da liberdade
a festa do encontro

hoje estivemos em festa
jaime

vimos crianças muitas
jovens tantos
nós menos que no ano
passado
a lei da vida disseste

mas hoje
hoje estivemos em festa
jaime

(prof. jaime do couto ferreira; coimbra; 25 abril 2018)

 

Anúncios

25 de abril em coimbra


0 ahcravo_DSC_1583 bw

quando el-rei apareceu
temerosa d. isabel
recolheu o manto

que levais aí senhora
perguntou el-rei
são cravos meu senhor

mostrai-me quero vê-los
sabeis como sou curioso

aberto o manto
cobriu-se o chão
de cravos vermelhos

mas senhora
hoje não é 25 de abril

será amanhã
meu senhor
será amanhã

é amanhã

0 ahcravo_DSC_1583

(coimbra; 25/04/2017)

joão pinto coelho nas 5as de leitura


jpc

“Prémio Leya 2017 na próxima sessão das «5as de Leitura»

A sessão de abril do projecto de incentivo e promoção da leitura «5as de Leitura», marca encontro dia 19 de abril, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal, com João Pinto Coelho, vencedor do Prémio Leya 2017, com o romance «Os loucos da Rua Mazur», uma obra que nos faz regressar à Polónia da Segunda Guerra Mundial, que “sangra feridas históricas e nos desafia a olhar o Mal onde nunca o vemos: dentro de nós”.

Biografia: João Pinto Coelho nasceu em Londres em 1967. Licenciou-se em Arquitectura em 1992 e viveu a maior parte da sua vida em Lisboa. Passou diversas temporadas nos Estados Unidos, onde chegou a trabalhar num teatro profissional perto de Nova Iorque e dos cenários que evoca neste romance.

Em 2009 e 2011 integrou duas acções do Conselho da Europa que tiveram lugar em Auschwitz (Oswiécim), na Polónia, trabalhando de perto com diversos investigadores sobre o Holocausto.

No mesmo período, concebeu e implementou o projeto Auschwitz in 1st Per-son/A Letter to Meir Berkovich, que juntou jovens portugueses e polacos e que o levou uma vez mais à Polónia, às ruas de Oswiécim e aos campos de concentração e extermínio. A esse propósito tem realizado diversas intervenções públicas, uma das quais, como orador, na conferência internacional Portugal e o Holocausto, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian.

Em 2012 publica «Perguntem a Sarah Gros», o seu primeiro romance. O seu romance seguinte «Os Loucos da Rua Mazur» foi o vencedor do prémio LeYa 2017.”

(programa das 5as de leitura)

da sessão que teve lugar no dia 19 de abril, fica o registo possível