postais da ria (240)


deixa-os descobrir

deixa que pensem
a higiene mental diária
só lhes faz bem

ignoram porém
que tu também

as pedras no caminho
há sempre pedras no caminho
não são exclusivo de ninguém

deixa que pensem
que só as há no teu

entre a ignorância
e a sabedoria
a fronteira é ténue

deixa-os descobrir

0 ahcravo_DSC_4410 berbigao s

(torreira; saco de berbigão de 20 kg; 2009)

Anúncios

os moliceiros têm vela (296)


o moliceiro

0 ahcravo_DSC_1575 s bw

a água quebra
a rocha

o vento dobra
o ferro

o homem escreve
um sonho

palavras com vela
por sobre as águas
levadas pelo vento

o moliceiro

0 ahcravo_DSC_1575 s

(murtosa; regata do bico; 2012)

0 ahcravo_DSC_1575 s sep

postais da ria (239)


aos homens e mulheres da ria

0 ahcravoDSC_7288 s bw.jpg

cirandar e escolher

existem homens
que fazem barcos
como se filhos

existem homens
que os encomendam
fazem neles vida

existem mulheres
camaradas dos homens
na faina dos barcos

homens e mulheres
sempre
mulheres e homens

os barcos só
não existiriam

0 ahcravo_DSC_7288 s

(torreira; cirandar; 2016)

postais da ria (238)


cipriano

0 ahcravo_DSC_6917 s

cipriano brandão e a esposa aurora (2012)

estás aqui
mesmo que não estejas
em mais nenhum lugar
estás aqui

olhar o rosto de um amigo
é lembrar estórias
é estarmos vivos
num mundo que é só nosso

o da memória comum

0 ahcravo_DSC_6917 sep1

cipriano brandão e a esposa aurora (2012)

(torreira; safar redes; 2012)

os moliceiros têm vela (293)


ao tempo

0 ahcravo_DSC_1466 bw

o moliceiro “A. Rendeiro” do ti zé rebeço

quando for com o vento
ficarão palavras e imagens
sonhos ilusões muitas

ilusões muitas

eu quase todo sem ser já
sussurros de água
na boca de um barco morto

os gestos o ter feito
o que me fizeram
deixo ao tempo o juízo

ao tempo
que outro deus
não conheço

0 ahcravo_DSC_1466

o moliceiro “A. Rendeiro” do ti zé rebeço

(torreira; regata da ria; 2014)

os moliceiros têm vela (292)


cigarra que canta a formiga

0 ahcravo_DSC_7744 s bw

o ti abílio traz o moliceiro, à vara, desde o cais até ao local de partida

escrevo o que sinto
sou as minhas palavras

cigarra que canta a formiga
faz do inverno verão

0 ahcravo_DSC_7744 s

o ti abílio traz o moliceiro, à vara, desde o cais até ao local de partida

(murtosa; cais do bico; 2016)

 

postais da ria (235)


pode ser o fim de

0 ahcravo_DSC_0044 s bw

depois dos homens
muito depois
ficarão os destroços

memórias limpas
de ter havido gente
que fez barcos e filhos
pescou e disso viveu

procurarão então
rostos e histórias
mas será tarde

como sempre
quando ser de hoje
não é ser os seus

não estarás cá
para ouvir os lamentos
nem isso vales

0 ahcravo_DSC_0044 s

(algures na ria de aveiro; num tempo a haver)