postais da ria (407)


torreira; colher; 2009
onde estive
para onde vou
tudo isso faz de mim
o que sou

um eterno caminhante
com apeadeiros
esporádicos onde
descanso tanto
ser e tanto sentir

sei que estou vivo
olho em frente
vivendo hoje
inventando amanhãs

todos os dias são
o primeiro dia
não é sérgio
torreira; colher; 2009

crónicas da xávega (490)


lembro os dias a luta
a indecisão de
o não saber como
a aceitação a revolta
as divisões a impotência

as armas e os barões
gordos e guardados
protegidos afilhados

um tempo gordo bolorento

lembro os dias da decisão
das armas roubadas aos barões
dos canhões à praça virados
da festa da liberdade

tempo de cravos na mão

foram-se as armas
ficaram os barões e os afilhados
livres as palavras e o engano
livre tu para recusar e seres

ainda não é pleno o nosso tempo
xávega; torreira; muleta; 2010

postais da ria (406)


gosto muito
de mínimas
máximas há que baste
por aí
sempre as houve

mas é nas mínimas coisas

que os olhos
que sabem ver
se perdem
que o coração
que sabe sentir
se afoga
que as mãos sábias
se encontram

são as mínimas coisas
que nos ferem e nos
alegram

por isso
cada vez mais gosto
muito de mínimas
torreira; cabrita alta; 2012

crónicas da xávega (489)


sê grato às portas que te abrem
e às que te fecham também

ser de todos é não ser de ninguém
de ti primeiro que todos quiseste ser

fizeste-te dizendo não calando
disseste presente ao mau tempo

sê grato às portas que se fecham
e às que te abrem és tu em todas

sê grato à diferença
como o vento despenteia as ondas
torreira; 2010; a escolha