crónicas da xávega (352)


o homem
0 ahcravo_ DSC_3051 s

torreira; 2013

 
democráticos vos digo
de tão diversos
 
os que sombra projectam
e são a luz silenciosa
 
os que passam e nem se sabem
e existem porque sim
 
os tantos tão piquenos e reles
que nem pisá-los pois sujos
ficamos de ignorar são
 
bem pode quem vos fez
limpar as mãos à parede
como diz o povo
 
como drummond questiono
“que coisa é o homem?
existe o homem?”
 
na areia da praia um homem
tenta salvar a espécie
 

a beleza do sal (86)


a flor não
0 ahcravo_DSC3755

ilha da morraceira; mexer; 21/07/2020

 
em cima da cilha
os montes de sal
enfeitados
 
sobre o monte mor
a chuva tomba
 
espera o homem
que de pouca dura
a água doce
 
em cima da cilha
sol mar suor
resistirão
 
no talho a flor
não
 
 

memória_21112009


a memória dos dias
KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

uma memória do além tejo; portalegre; 2007

 
 
sentam-se logo pela manhã
atrás dos vidros
acordam os pássaros fronteiros
 
fazem a lide
a renda e a roupa
falam sozinhas
(ouve-se ao longe a rádio)
 
abrem a janela
trocam notícias fazem jornais
saberes antigos de outras tipografias
foram elas que
inventaram as rádios locais
 
passam a ferro
limpam o chão
sentam-se de novo
 
quando querem
da rua
ninguém as vê

os moliceiros têm vela (414)


hoje ontem amanhã
0 ahcravo_DSC3738

torreira; regata da ria; 2020; ti zé rebeço

 
sabes que o teu tempo
passou
ainda não completamente
mas
 
os teus olhos vêem por dentro
das coisas e são a memória delas
 
não queres o regresso ao passado
mas que ele se sente contigo à mesa
com amigos mais jovens
a quem passes testemunho
 
o que os teus olhos viram
toda uma geração que viu
 
és ainda
olhas a ria não como
se te despedisses
mas bebendo do copo
até à última gota
 
sentemo-nos
há gente a chegar
à tua mesa
 

os moliceiros têm vela (413)


a outra regata
0 ahcravo_DSC3748

torreira; regata da ria; 2020

 
é esta a marca do dia
do ano
que esperamos
este só
 
a memória faz-se de
pequenas coisas
e de grandes gestos
 
há tantos meses
abraço nenhum
 
escrevo o dia
e o nele ter estado
dentro de um abraço
os amigos maiores
 
escrevo o dia
esperando escrita diversa
 
um tempo outro
sem máscaras
libertos afectos
 
até lá o que foi será
e não o apagarei
mascarando as máscaras