postais da ria (387)


eu ainda

o ti zé formigo ainda está aqui comigo – (regata do emigrante; cais do bico; 2018)
tenho o passado 
num disco externo

chego devagar
lento é o tempo de

revejo amigos
idos para sempre

fui por inteiro
não me resguardei

se traidores houve
só um é culpado
eu por ter acreditado

os moliceiros têm vela (438)


amanhã

murtosa; regata do bico; 2009
 amanhã pode ser um dia
 longe
 
 quisera ser barco ir  
 com o vento
 abraçar as nuvens
 
 amanhã pode ser um dia  
 longe
 
 saibas tu ser barco  
 mas navegar
 nunca foi arte fácil
 
 amanhã pode ser um dia  
 longe
 
 vida de marinheiro é dura
 grande o mar  
 amanhã vamos navegar 

 hoje

os moliceiros têm vela (436)


inocentes

ti abílio carteirista; cais do bico; 2019
 pedem-me que cale
 que não ligue
 
 denunciar é dar palco
 dizem e quedam-se
 no seu saber calado
 
 há a poesia a música
 o cinema o futebol
 há a cultura costas largas
 
 há o que não nos divide
 porque não é relevante
 há o silêncio que consente
  
 peço-lhes que falem  
 que digam o que pensam
 se existem além do pensar
  
 calados críticos de tudo
 aí estarão no fim do caminho
 limpos sorridentes e isentos
  
 acabados de nascer e ainda
 por lavar 

os moliceiros têm vela (431)


português emigrante

ti abílio; regata do bico; 2019
 
 partiram de bolsos vazios
 e o país no coração
 
 sonhavam uma vida melhor
 uma casa a velhice diversa
  
 foram dos primeiros e  
 voltaram
 e no voltarem foram
 os últimos
  
 filhos e netos semearam
 que outras raízes criaram
  
 mais que uma bandeira
 são um povo
 orgulhoso das suas origens
  
 é uma honra ter entre eles
 tantos amigos