MARIA BEATRIZ SEABRA [Lisboa 1992]

MARIA BEATRIZ SEABRA [Lisboa 1992]


POESIA Y OTRAS LETRAS

"Poética do momento", com esta expressão pode-se definir o volume de Maria Beatriz Seabra, «Caminhar em terra mole». A razão desta afirmação deriva do fato de que o instante não se apresenta como um segmento de duração, mas com o indivisível do tempo, ao contrário do ponto que é o indivisível da linha. No entanto, a comparação precisa uma diferença de conceitos entre o ponto e o instante, que de facto pode-se dizer que o instante pertence ao tempo, enquanto o ponto pertence ao espaço. 
Conceitualmente, podemos considerar o instante como uma parte do tempo: ele é necessariamente indivisível por ser o presente do tempo. No instante o ser temporal é salvo do esgotamento do tempo, possui sua unidade, a identidade que o tempo dispersa.




[nove] são importantes os acasos: infinitas sucessões de instantes que convergem no mesmo mundo e que são [propriamente falando] forças brutas com método próprio a…

View original post mais 224 palavras

RUY BELO [ São João da Ribeira, 1933 – Queluz, 1978 ]

RUY BELO [ São João da Ribeira, 1933 – Queluz, 1978 ]


poesia sempre: ruy belo

POESIA Y OTRAS LETRAS

Sua obra é hoje considerada fundamental no marco dos anos ’60 e ’70, por por seu amplo espectro de sensações e sentimentos transmitidos com um estilo rigoroso e atento ao som dos versos. Passando da obsessão religiosa para os aspectos relacionados com a vida cotidiana e a passagem do tempo, a poesia de Ruy Belo excita por sua melancolia às vezes ingênua e outras, ao invés, mais perta do vazio que emerge do real. Soube explorar as contradições de uma educação sentimental, cuja maior lição é uma lenta aprendizagem do amor, da solidão e da morte.

PARA A DEDICAÇÃO DE UM HOMEM Terrível é o homem em que o senhor desmaiou o olhar furtivo de searas ou reclinou a cabeça ou aquele disposto a virar decisivamente a esquina Não há conspiração de folhas que recolha a sua despedida. Nem ombro para seu ombro quando caminha pela tarde acima A morte…

View original post mais 497 palavras

Jozefina Dautbegović [1948 – 2008]


a poesia sempre

POESIA Y OTRAS LETRAS

Crediti dell’immagine: https://www.tacno.net

Questa poetessa che più di settant’anni fa era nata in Bosnia-Erzegovina, a un certo punto della sua esistenza ha scelto di ancorarsi al verso per demarcare il confine che separa la vita dalla morte. Vita e morte che un altro uomo di lettere, Carlo Michelstaedter, decantava nei versi de Il canto delle crisalidi:

Vita, morte,
la vita nella morte;
morte, vita,
la morte nella vita.

il poeta e filosofo goriziano voleva rivelare con il suo pensiero le stigmate che contraddistinguevano il Novecento, secolo delle grandi infatuazioni ideologiche. Per Jozefina, il conflitto armato che ha coinvolto l’ex repubblica socialista jugoslava, ha significato un vivere in continuo stato di non appartenenza, dopo la dissoluzione del socialismo nel 1991, costringendola alla fuga. La sua è una lirica in cui i piccoli e i grandi eventi del quotidiano si manifestano per ricordarle di sottostare ad altre logiche e regole più…

View original post mais 997 palavras

António Ramos Rosa [Faro 1924 – Lisboa 2013]

António Ramos Rosa [Faro 1924 – Lisboa 2013]


POESIA Y OTRAS LETRAS

Créditos da imagem: Nuno Calvet

Nos versos de QUATRO POEMAS SOLIDÁRIOS de O centro na distância de António Ramos Rosa, a solidez da pedra distingue-se pela sua compacidade, que se recusa a ser penetrada. Seu mundo fechado é um convite para deixar nossa imaginação correr solta. Nós, de fato, somos o mineral que devemos trabalhar pacientemente para transformar a indiferença, a ignorância e a felicidade, na verdadeira pedra. El Che foi uma dessas pedras, fortalecida pela luta, cuja presença faz parte do nosso imaginário. Ele ainda é uma presença forte, porque a pedra está sempre aberta a uma nova vida e sua transformação. De facto, o herói argentino assumiu um novo significado para se transformar no símbolo da continuidade da nova história. De modo que se o poeta apresentar a matéria tosca da pedra para transformá-la em forma sutil através de um trabalho de humanização do dado, esta…

View original post mais 565 palavras

MANUEL DE FREITAS [ Vale Santarém, 1972 ]

MANUEL DE FREITAS [ Vale Santarém, 1972 ]


para quem gosta de poesia um blog a seguir

POESIA Y OTRAS LETRAS

Créditos da imagem: fotografia de Inês Dias


Ninguém melhor do que Manuel Freitas conseguiu falar da tragédia metafísica sem fuga e da tortura de estar vivo numa sociedade onde o conformismo se confunde com a barbárie e o erro. Mesmo Portugal, lugar do fingimento pessoano, não escapa a sua escrita de “país devastado, / o símbolo envergonhadamente europeu … da austeridade, / do analfabetismo e da luz chegando a remotas, / quase míticas aldeias” (Cervejaria Leirão). Um emaranhado de fracassos e perdas atravessado pelos mortos e, mais ainda, pela morte. De certo modo, o poeta traça uma visão da ruina de nossa civilização ocidental na perspectiva histórica da poesia. Ei-nos num lugar paradoxal, onde a poesia diz o que as pessoas não percebem.

Spot “A vida não pode ser assim tão assustadora”, diz a margarina becel em horário nobre, para não-cardíacos. O que, na verdade, me deixa saudades…

View original post mais 868 palavras

FRANCESCO SCARABICCHI [ Ancona 1951 – 2021 ]

FRANCESCO SCARABICCHI [ Ancona 1951 – 2021 ]


da poesia em italiano

POESIA Y OTRAS LETRAS

Crediti dell’immagine: https://unisaperi.it

Un calarsi nella trama dell’umano, del suo radicamento temporale, del suo patire fra la consistenza e la dissoluzione. La durata e la caducità, sono le polarità che si leggono nel volume postumo La figlia che non piange, di Francesco Scarabicchi. La verità, le funzioni veritative sono tutte lì, nel respiro del tempo e il mistero delle cose fatte di tempo. Il suo è un dire sì alla vita, nelle cose che passano, mutevoli e mutabili soltanto nel segreto della sua verità. Sensibile e sommesso, lontano da ogni trionfalismo, la scrittura di Scarabicchi appare munita di una naturalità che lo porta a guardare il mondo senza essere visto.

Una residenzaa Massimo Recalcati Non c'è altro luogo, credimi, che questo, tutto il bianco possibile, la pagina e poi quelle formiche delle righe a dire il poco, il molto che noi siamo, ma non tanto di me e…

View original post mais 481 palavras

CLÁUDIA R. SAMPAIO [ Lisboa 1981 ]

CLÁUDIA R. SAMPAIO [ Lisboa 1981 ]


o prazer da poesia

POESIA Y OTRAS LETRAS

Uma característica essencial da vida emocional desta autora é o seu estado afetivo que é apresentado como a experiência de seu caráter individual. A poesia da Sampaio passa pelas raízes do mal, movendo-se entre certezas alucinadas, invocações afetuosas e relâmpagos de delírio. No entanto, para aqueles curtos circuitos da mente que atropelam o amor e o próprio ser, a escrita pode reverter plenamente a angústia dos dias, opondo-se à heterogeneidade evasiva dos elementos, a possibilidade de abraçar o Tudo, deixando de lado o caos, deixando, por alguns breves momentos, as instâncias da melancolia.

Créditos da imagem: https://www.goodreads.com

Tu sentado na praça. Entre nós uma enorme quantidade de frio., uma reunião de pombos e dis taxistas de dentadura lunar. Comove-me esta intensa fila para se chegar à ginja como se assim se chegasse à verdade das coisas, aos braços tão curtos da solidão ibérica. Comove-me a velha que sobe as saias…

View original post mais 823 palavras

DANIEL FARIA [Baltar-Paredes 1971 – Porto 1999]

DANIEL FARIA [Baltar-Paredes 1971 – Porto 1999]


a poesia de daniel faria

POESIA Y OTRAS LETRAS

Créditos da imagem: http://sociedadejusta.pt

Neste espaço vai-se falar brevemente sobre um poeta que poderia aparecer entre aqueles já consolidados da literatura portuguesa e estrangeira. A poesia de Daniel Faria pode-se considerar uma aventura afortunada, embora breve, e literariamente prolífica, como evidenciado por uma revisão bibliográfica recentemente concluída, que visa reconstruir toda a produção deste autor. Um jovem seminarista culto, de índole mística. Um poeta intemporal. A sua é uma palavra que se encarna na existência individual e coletiva, porque é existência que se torna poesia. Ressonância humana particular e inconfundível adquirem suas líricas que enfrentam os temas da imanência e da transcendência, assim como o do conhecimento interior; tópicos em que Daniel Faria se tem entretido tornando-os o núcleo de seu pensamento. O processo meditativo é acompanhado, ou melhor, é em si mesmo também escrita lírica ligada à exegese do verso e no verso, bem como nos recessos mais aparentemente…

View original post mais 1.205 palavras

MARÍA JOSÉ  QUINTELA [Vila Real 1955]

MARÍA JOSÉ QUINTELA [Vila Real 1955]


POESIA Y OTRAS LETRAS

Créditos da imagem: http://www.crearensalamanca.com

A escuridão é a nossa primeira realidade, o enigma iminente do nosso nascimento. Nosso ser microcósmico, despertando no útero, está envolto na matéria negra de nossa herança ancestral. Luz e trevas constituem o mais importante sistema dualista de forças polares que, na maioria das doutrinas iniciadoras, é a encarnação da divindade.

Em seu valor potencial, a divindade é pensamento e na dimensão do microcosmo é o inconsciente. Mas é também o som sublime, uma palavra tão húmida quanto a água e a luz que desce sobre a terra trazida pelos raios do sol. Uma palavra que se torna o movimento ou vida da divindade para todas as línguas, cores e virtudes que residem na Palavra. Para María José Quintela é também verdade, luz do ser e criação contínua do universo. O mais puro símbolo da manifestação do ser que pensa e se expressa para voltar à…

View original post mais 819 palavras

MEMÓRIAS DE RESISTÊNCIA

MEMÓRIAS DE RESISTÊNCIA


muito interessante

POESIA Y OTRAS LETRAS

Dois amigos separados por um oceano trocam cartas ao som de um piano na Cidade do México.

Direção e Montagem: Felipe Nepomuceno.

Produção: Tereza Alvarez.

Argumento e Fotografia: Ondjaki.

Fotografia Adicional: Felipe Nepomuceno.

Trilha Sonora Original: Jazmín Solar.

Engenheiro de Som: Alan Saucedo.

Assessoria de Imprensa: CWEA. (2020)

Com: Eric Nepomuceno e Ondjaki.

Nepomuceno Filmes

View original post