mãos de mar (12)


utensílios primordiais

0-ahcravo_dsc_9391

utensílios primordiais
a navalha e o bordão
no repartir do trabalho
e do seu fruto

as mãos são
as mãos de tantos quantos
para além delas
habitam o tempo
gravado no bordão

escrita sábia esta
sem palavras
escultura elementar
em louvor dos dias

parto e já não sou tão pouco
sou mais um
vejo para além do que vejo
cresci

ganhei o mar que pressinto
para ser barco homem memória

(torreira)

crónicas da xávega (189)


oração (2)

0-ahcravo_dsc_6171_marco-16-bw

aos homens que vencem o mar
vencendo-se a si próprios

eu que sou um deles sem o ser
só lhes peço
que sejam em terra os mesmos
de pé altivos destemidos

de joelhos só perante
o senhor dos céus
em oração

0-ahcravo_dsc_6171_marco-16

(torreira; companha do marco; 2016)

crónicas da xávega (143)


crescer com a xávega

0 ahcravo_DSC_9584 bw
não são ontem nem amanhã
são agora
começam quando querem

trazem o sal no sangue
e são de mar os seus dias
desde que se lembram

o que para uns é trabalho
para eles brincadeira
sentem-se mais um entre
pai mãe amigos

não há trabalho infantil
na xávega
há prazer desde pequeno

0 ahcravo_DSC_9584

(torreira; companha do marco; 2013)

crónicas da xávega (141)


resistir

0 ahcravo_DSC_2899 bw

o ti américo na manga do reçoeiro, no alador

a manga no alador
corre
o fim do lanço quase

os anos pesam
mais a rede
mais a necessidade

a língua espreita
o esforço
as ganas de continuar

um homem não é
uma máquina
resiste resiste resiste

está vivo muito

0 ahcravo_DSC_2899

conhaque é conhaque, serviço é serviço

(torreira; companha do marco; 2015)

 

crónicas da xávega (128)


são pescadores

SONY DSC

o chegar do saco

há quem deixe nome
obra e fama
herança quanto baste

há quem nada deixe
porque nada foi
no tanto de ter sido

oferecem o corpo
ao mar
vestem-se de vento
e areia

perdem-se à noite
por onde mais
ninguém senão eles

são ninguém
são gente
são pescadores

SONY DSC

há os que partiram, os que resistem e os que já não voltam

(torreira; companha do marco; 2009)

crónicas da xávega (38)


as mãos

a saco aproxima-se da praia, os bordões apertam as mangas. quem sabe se peixe?

a saco aproxima-se da praia, os bordões apertam as mangas. quem sabe se peixe?

regresso sempre às mãos
às mãos e ao peso
que sobre elas
tudo

ao pão suado salgado
sofrido esmifrado

aos braços ferramenta
aos escravos da fome
dos filhos do hoje
do manhã do nunca
do sonho
do desespero
da esperança

regresso sempre às mãos
nem sempre
vazias

as cores da esperança, do esforço, do salgado suor dos homens do mar

as cores da esperança, do esforço, do salgado suor dos homens do mar

(torreira; companha do marco; 2012)