mãos de mar (42)


vidas com escamas

quantas safras
em quantos sacos
estas mãos

vidas com escamas

isso te digo
destes homens
destas mãos
0 ahcravo_ DSC_1029

(torreira; 2015)

Anúncios

postais da ria (237)


dos amigos  e não só

cuida dos amigos de hoje
deixa que seja o amanhã
a deles fazer juízo certo

para alguns
amanhã foi ontem
são eles

que fazem os dias
mais tristes

0 ahcravo_DSC_4867 s

a safar redes – mulher da torreira, onde a a vida não dá para camaradas

(torreira; porto de abrigo; 2013)

 

os moliceiros têm vela (293)


ao tempo

0 ahcravo_DSC_1466 bw

o moliceiro “A. Rendeiro” do ti zé rebeço

quando for com o vento
ficarão palavras e imagens
sonhos ilusões muitas

ilusões muitas

eu quase todo sem ser já
sussurros de água
na boca de um barco morto

os gestos o ter feito
o que me fizeram
deixo ao tempo o juízo

ao tempo
que outro deus
não conheço

0 ahcravo_DSC_1466

o moliceiro “A. Rendeiro” do ti zé rebeço

(torreira; regata da ria; 2014)

mãos de mar (41)


dos capatazes

falam como se
donos fossem do que
lhes não pertence
porque nosso

não têm senão
a ilusão de um poder
efémero delegado

calçam sapatos luva
que nas mãos
melhor lhes ficariam

existem porque são
mandados para mandar

nada me custa
por esse mesmo motivo
mandá-los

sabem bem onde

0 ahcravo_DSC_7092

mãos de mar, de trabalho, estas