os moliceiros têm vela (418)


estou vivo, tenho opinião e escrevo-a

0 ahcravo_DSC_0489 bw

cais do bico; regata do emigrante; 2020

os painéis dos moliceiros têm sido objecto de estudo e até teses de doutoramento – caso de clara sarmento -, sendo as pinturas e as legendas objecto de classificação.
 
no livro ” Os Moliceiros da Ria de Aveiro – Quadros Flutuantes” , clara sarmento propõe a seguinte classificação : Jocosos (Eróticos, Instituições, Figuras típicas, Trabalho); Religiosos; Vida Quotidiana (Trabalho da Ria, Varinas, Mestres e seus Barcos, Apelos Ecológicos à preservação dos moliceiros, Festas e Cerimónias, Ditos e Conselhos); História e Personalidades (Monarcas, Descobrimentos, Escritores, Soldados e Cavaleiros, Personagens do imaginário e lazer).
 
ana maria lopes no livro “MOLICEIROS” propõe : Amorosos; Eróticos (Maliciosos); Patrióticos; Históricos; Profissionais; Folclóricos; Desportivos; Quotidiano.
diamantino dias, no site aveiro e cultura ((http://ww3.aeje.pt/avcultur/avcultur/DiamDias/Diversos/ConcursoPai.htm) propõe: Satíricos, Amorosos; Profissionais; Religiosos e Patrióticos.
 
a preservação deste património terá levado, inclusivamente, à criação dos concursos de painéis em aveiro por iniciativa do vereador arnaldo estrela santos, em data anterior a 1957 – segundo diamantino dias – e na romaria do são paio, na torreira.
 
a predominância dos painéis “Jocosos” ou “Eróticos” em relação aos restantes, verificada nos últimos anos, terá a ver, segundo o pintor josé oliveira, com os prémios pecuniários atribuídos pelos júris e que recaíam normalmente sobre estes. facto que terá levado o dono de um moliceiro a dizer ” pró ano é gajas, o que eles querem é gajas” (cito josé oliveira).
 
mas “Jocosos” ou “Eróticos” respeitavam sempre aquilo a que habitualmente se designa por “brejeirice da beira ria”, caracterizada pelo duplo sentido, pelo subentendido, pela “riqueza de interpretações de uma frase”, a que a pintura empresta mais uma interpretação dúbia, não sendo explícita, nem “para maiores de 18 anos”.
 
infelizmente a “brejeirice da beira ria”, que reflecte a velha expressão “a língua portuguesa é muito traiçoeira”,  parece estar a derivar para uma “vilhenice” de segunda categoria, para não dizer pior. se a legenda é de duplo sentido, a pintura é de muito mau gosto, de leitura única e desaconselhada “para todas as idades”.
 
em 2019 surgiu o primeiro painel com estas características, em 2020 já foram dois. por este andar onde vamos acabar?
 
não sei qual foi a classificação do júri para os painéis em causa, nem li quaisquer reparos a tais pinturas.
 
enfim, se é triste verificar que o empobrecimento dos motivos decorativos dos painéis tem a ver com as decisões do júri na atribuição dos prémios pecuniários, não podemos deixar resvalar os desenhos/pinturas para, desculpem-me o termo porque forte, a “ordinarice”.
 
(nota : não reproduzo os painéis em causa por motivos óbvios)

os moliceiros têm vela (417)


1 de agosto de 2020, regata do emigrante, um olhar
0 acravo_DSC4078

o bruno daniel e o mestre zé rito

 
não foi ao domingo, foi no sábado, também não foi o percurso habitual, mas foi no bico. não estamos num ano comum, esperemos que não se prolongue.
 
uma regata de moliceiros é sempre um espectáculo e esta foi um grande espectáculo.
mas dentro dos moliceiros vão homens, homens que compraram moliceiros, homens que os fizeram.
 
este ano, em que perdemos um moliceiro para os canais de aveiro, ganhámos mais um “moliceiro” , o bruno daniel marçal dias que comprou o moliceiro do mestre zé rito. um jovem. mais um.
 
e é de jovens que quero falar, não os contei, mas em quase todos os moliceiros havia tripulantes jovens a mostrar ao resistente, ti zé rebeço, que os moliceiros continuam, haja vontade e apoio de quem decide – e este ano houve.
 
espero em 2021, voltar a ver a frota de moliceiros reposta – verdade, mestre zé rito?
 
parabéns bruno daniel – esta já é a tua segunda regata – aprendeste, como alguns mais velhos ainda não aprenderam, que não se pode ganhar sempre, que as regatas são uma festa, que há erros mas que não são propositados, que nas festas só pode haver festa, que o importante é participar e fazer da ria aquilo que ela merece: um lago de cisnes.
 
(torreira; 1 de agosto de 2020)

os moliceiros têm vela (414)


hoje ontem amanhã
0 ahcravo_DSC3738

torreira; regata da ria; 2020; ti zé rebeço

 
sabes que o teu tempo
passou
ainda não completamente
mas
 
os teus olhos vêem por dentro
das coisas e são a memória delas
 
não queres o regresso ao passado
mas que ele se sente contigo à mesa
com amigos mais jovens
a quem passes testemunho
 
o que os teus olhos viram
toda uma geração que viu
 
és ainda
olhas a ria não como
se te despedisses
mas bebendo do copo
até à última gota
 
sentemo-nos
há gente a chegar
à tua mesa
 

os moliceiros têm vela (413)


a outra regata
0 ahcravo_DSC3748

torreira; regata da ria; 2020

 
é esta a marca do dia
do ano
que esperamos
este só
 
a memória faz-se de
pequenas coisas
e de grandes gestos
 
há tantos meses
abraço nenhum
 
escrevo o dia
e o nele ter estado
dentro de um abraço
os amigos maiores
 
escrevo o dia
esperando escrita diversa
 
um tempo outro
sem máscaras
libertos afectos
 
até lá o que foi será
e não o apagarei
mascarando as máscaras
 

os moliceiros têm vela (412)


da regata da ria 2020
0 ahcravo_DSC9653

regata da ria 2019; ti abílio carteirista

 
a regata da ria 2020 foi uma boa regata, embora sendo feita contra a maré, o vento foi bom – levou até alguns a mudar de vela – e em cerca de 1h40m estava concluída.
 
10 moliceiros de classe A e 2 de classe B. inteligente a decisão da associação náutica da torreira de dar partida em primeiro lugar aos moliceiros de classe B – mais lentos – e só minutos depois aos de classe A.
 
apenas um moliceiro ficou pelo caminho e é para ele o meu abraço, porque dos que ganham se fala, mas aos que o azar atingiu, só o silêncio e o desalento acompanham. ainda por cima para quem participa pelo prazer de velejar, sem quaisquer pretensões de vencer. acontece. por isso o meu abraço.
 
uma regata pode ser vista de muitas formas: a da beleza da ria engalanada; dos painéis … tanta beleza que os olhos captam e as máquinas registam.
 
e a regata dos homens que vão nos moliceiros e que são cada dia menos moliceiros. ainda bem, porque rejuvenescida a equipagem da frota e mais promissor o futuro, pena porque a vão abandonando os “velhos moliceiros”.
 
esta foi a primeira regata que acompanhei e em que não participou o ti abílio fonseca (carteirista) e o seu “dos netos”, e também o ti zé caneira não foi arrais do moliceiro da câmara municipal da murtosa.
 
esta foi também a primeira regata do bruno dias, que comprou o moliceiro “zé rito”.
 
junto os três no mesmo abraço, o que foi criou as raízes do que vem, ambos merecem o respeito e o reconhecimento de quem não anda nisto “só pelos bonecos”.
 
a regata da ria 2020 foi uma boa regata, as fotos já publicadas por muitos assim o demonstram, a reportagem de uma televisão é elucidativa. eu, com a calma que os anos trazem, só quero que haja mais regatas, mais apoios, mais gente que aceite o desafio e que os moliceiros continuem a navegar em ria aberta.
 
as fotos que fiz na regata estão à espera que eu dê ordens.
 
os moliceiros têm vela (411)

os moliceiros têm vela (411)


regata da ria 2020
SONY DSC

cais do bico; 2009

quando quem manda em terra
desconhece as leis do mar
quem paga é sempre quem navega

errar é humano
repetir o erro é estranho
a terceira devia dar direito a despedimento

manda quem pode
somos um povo de brandos costumes
comer e calar

deixem que pergunte
quem manda nas datas das regatas
alguma vez andou na ria
de moliceiro

ou será que
nunca saiu dos canais
e porque manda nas comportas
julga ser senhor das marés

como dizem os murtoseiros
queria-se “bem escafunadinha”
aquela cira

SONY DSC

cais do bico; 2009