os moliceiros têm vela (442)

os moliceiros têm vela (442)


de abril a vinte e cinco

torreira; regata da ria; 2013
de abril a vinte e cinco
o cravo barato vulgar povo
foi símbolo sem querer

sem espinhos foi sonho
sem espinhos foi ilusão

sem sangue cansados de tanto
abril a vinte e cinco foi porta
foi janela o poder ser se

fosse o cravo cacto espinhoso
no extremo a flor a colher
tivessem sangrado as mãos

fosses tu a colhê-lo
não o sonho ofertado

fosses tu a colhê-lo
fosses
; 2013torreira; regata da ria

os moliceiros têm vela (435)


felizes

ria de aveiro; regata da ria; 2013
correm atrás do vento
da glória talvez
 
sonham-se o infinito
presos à terra
 
de tão grandes não
cabem em si
 
admiro-lhes as certezas
os juízos sábios

felizes não se sabem  
presumem-se 

quedo-me em silêncio
de tão pouco ser
 

os moliceiros têm vela (423)


raízes

aveiro; regata da ria; 2019
apertam-se as mãos
e são letras de palavra dita
palavra honrada


homens grandes
frontais de olhar límpido
mãos enormes corações


foram eles o vento que enfunou
as velas do meu estar
com eles naveguei por outras terras
e regressei sempre


às raízes

(a história dos moliceiros, homens e barcos, pode escrever-se com esta imagem:

a palavra dada era palavra honrada, selada no aperto de mãos.

isso aprendi quando me fui fazendo por estas bandas, onde homens de palavra apertavam as mãos.

conheço estas duas mãos, são de dois grandes amigos moliceiros: ti abílio e ti zé rebeço, os dois moliceiros mais antigos da ria.

o ti abílio já vendeu o moliceiro e o ti zé não sabe quanto mais tempo terá forças para o seu.

saber sair é um acto de sabedoria e eles sabem-no.)