crónicas da xávega (296)


a primeira flor
0 ahcravo_DSC_0666 bw

a minha amiga cacilda, mulher do mar da torreira

 
(avô já sou mulher e
eu não quero)
 
abrem-se no rosto trilhos
salgados de tanto mar
perdem-se no longe os olhos
 
(avô já sou mulher e
eu não quero)
 
falarei sempre do sonho
quando no infinito os olhos
inventarem um ser diferente
 
(avô já sou mulher e
eu não quero)
 
amanhã minha neta
que foste do meu sangue
a primeira mulher
não terás o rosto assim
 
(avô já sou mulher e
eu não quero)
 
mas são estes os rostos
que eu quero que lembres
e faças teus porque meus
deste ter sido aqui mais um
 
(avô já sou mulher e
eu não quero)
 
mas
hoje é o teu primeiro dia
e esta a flor que te ofereço
0 ahcravo_DSC_0666 sep

a minha amiga cacilda, mulher do mar da torreira

 
(torreira; 2013)

“quando o mar trabalha” no programa “pinceladas” da foz do mondego rádio


 

20180918_AhCravoGorim_capa_baixa1

na foz do mondego rádio, na figueira da foz, conceição ruivo é autora do programa “pinceladas”, espaço áudio onde conversa sobre arte

nos dias 1 e 2 de dezembro de 2018, a conversa decorreu em torno do livro “quando o mar trabalha”

obrigado conceição ruivo por esta oportunidade, obrigado sansão coelho pela coordenação e obrigado foz do mondego rádio pela eficiência e qualidade da produção do registo áudio, de que aproveitei parte para a produção deste vídeo, com algumas das fotos que integram o livro

a conversa pode ser ouvista no vídeo

 

 

rostos da torreira (2)


para o zé titi

0000 ahcravo_DSC_0781 s

adormecem gaivotas na areia
sopra forte o norte
varrendo a praia
é inverno

atento caminha pela praia
busca um brilho
um pedaço perdido de verão

já houve mais diz-me
a crise também aqui se faz sentir

de poucas falas
sempre pronto a ajudar
é de terra este homem
aqui onde todos são de mar

veste-se de silêncio
difíceis as palavras

sentado num banco à beira ria
tem o tamanho do sorriso
a limpidez mais pura no olhar

chama-se zé titi

(torreira; 2010)