alar e aparelhar com a companha dos leais (2019)


ahcravo_DSC1737

este registo pretende apenas ser um documento das práticas de alar e aparelhar na companha dos leais, na praia da leirosa.
 
não tem quaisquer pretensões fílmicas.
 
aspectos relevantes e salientados no registo:
 
– o alar e aparelhar da cala da mão de barca
– a ferramenta criada para servir de passadiço às mangas (pode-se ver na mão de barca)
 
aos proprietários da companha, irmãos leal, e a toda a companha os meus agradecimentos por me terem deixado fotografar e filmar, pela camaradagem, por me terem considerado um dos seus, um grande abraço

crónicas da xávega (349)


de mar
KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

torreira; 2007

 
hoje vou sair com as letras
levá-las ao mar
sentar-me com elas na areia
 
deixar que as ondas
tragam na espuma o que espuma é
e levem o que é espuma
 
estão tão cansadas as palavras
as minhas
de tanto se repetirem neste dizer-me
há tanto
 
vou ao mar lavar palavras
palavras portuguesas
de mar
KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

torreira; 2007

 

esboço do agostinho


a fotografia o esboço.
0 ahcravo_DSC_4069

torreira; agostinho canhoto; 2013

 
o tempo escrito no grito
 
os amigos estão para além
da imagem que deles fizemos
 
são muito mais que uma foto
nela apenas o que deles vemos
sentimos julgamos saber
 
o agostinho é o pescador
é todos os que têm casa no mar
que a terra é perigosa
 
o agostinho é o agostinho
a foto é apenas um pouco dele
ou melhor é ele dentro de mim
 
nada mais que um esboço
depois da obra
crónicas da xávega (348)

crónicas da xávega (348)


ainda estou aqui
0 ahcravo_DSCN0406 - ti alfredo 2005 sep

torreira; ti alfredo fareja; 2005

 
escondi numa gaveta
todas as palavras difíceis
 
escrevi então as coisas simples
onde habita o sentir
 
a memória os amigos o tempo
entraram pelas palavras
como coisa sua
simples
 
perguntaram por mim
e com as suas palavras lhes respondi
 
ainda estou aqui
0 ahcravo_DSCN0406 - ti alfredo 2005 bw1

torreira; ti alfredo fareja; 2005