“quando o mar trabalha” em exposição no EXEA

“quando o mar trabalha” em exposição no EXEA


“O Museu Marítimo EXEA é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público 24h, que através da investigação, promove a conservação, comunicação e exposição dos patrimónios material e imaterial associados à relação do ser humano com o Atlântico a partir do Extremo Oriental das Américas, tendo por finalidade a educação, o estudo e o deleite.

….

A missão do Museu é promover o conhecimento das relações humanas com o Atlântico, tendo como enfoque a preservação, comunicação e as diversas formas de expressões do patrimônio cultural marítimo que foram essenciais à formação da memória marítima atlântica.”

(nota: da apresentação do Museu)

https://www.museuexea.org/

“quando o mar trabalha” é a primeira exposição virtual da nova secção “Povos do mar” do Museu Virtual Marítimo do Extremo Oriental das Américas – EXEA

e assim caminhamos no mundo virtual e divulgamos as nossas tradições marítimas.

outras exposições se seguirão

https://www.museuexea.org/quando-o-mar-trabalha

(nota: para uma melhor visualização da exposição usar computador e não smatphone)

crónicas da xávega (477)


para o meu amigo agostinho trabalhito

apanhei rente ao mar  
três seixos rolados
de cores diferentes
como diferente é tudo

entrechocando-se na mão
produzem um som áspero
um som de memória perdida

encostados ao ouvido
nada dizem
são simples pedras
não búzios

também eu
trago no corpo o mar
o mar que ninguém ouve

(torreira; 2016)

contributos para a história da xávega, noutros blogs


concorde ou não com o que neles se escreve aí se encontram fotos minhas

1 – almada – costa da caparica (foto da praia de mira) – 2015

2 – ovar ( foto da praia de mira) – 2016

https://www.ovarnews.pt/arte-xavega-de-ovar-a-patrimonio-cultural-imaterial/

3 – ovar (foto da torreira) – 2016

4 – caxinas (fotos da torreira) – 2008

https://caxinas-a-freguesia.blogs.sapo.pt/59218.html

5 – blog DD ( fotos da torreira e da praia de mira)

(se mais houver… hão-de aparecer)