os moliceiros têm vela (470)


o meu próximo livro

torreira; regata da ria; 2009
vou escrever um livro 
de poesia
inovador

a topo de página
o título do poema

duas linhas abaixo
uma citação pouco conhecida
de um autor consagrado

há que divulgar o que li
a minha ilustrada ilustração

o resto da página em branco

o que eu pretendo
não é que saibam que escrevo 
mas que leio muito

que diabo
sou um doutor das letras

postais da ria (401)

postais da ria (401)


por que não quero escrever

nada mais resta que uma varanda
sobre o tempo
uma corda tensa a prender os dias

nada mais que uma visão
coberta de silêncios e vozes idas

nada mais que palavras inventadas
onde já não as há

caminhos feitos muitos
por fazer 

uma corda esticada sobre os dias
procura uma guitarra
que certo é o fado
os moliceiros têm vela (468)

os moliceiros têm vela (468)


a luz corta o silêncio

a luz corta o silêncio
uma vela poisada na memória
acende os dias por

iluminado tempo este
que o silêncio habita

o sol fere magoa sara
a luz quebra-se na ria

o moliceiro cresce no vento
é ave e voa 
é a luz que corta o silêncio

(regata do emigrante; cais do bico; 2008)

amonite no cabo mondego


“MAR QUE NOS UNE”: «Amonite», de Bordalo II está a ser instalada na Figueira da Foz

“Mar que nos Une” é um projeto, que resulta da candidatura de três municípios ( Figueira da Foz, Cantanhede e Mira), orçada em cerca de 300 mil euros, para a Programação Cultural em Rede 2021, aprovada pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) e financiada a 100%.

É um projeto cultural focado no mar, a realizar simultaneamente nos três concelho, que tem como diretor artístico André Varandas. O mesmo visa integrar, capacitar e revitalizar os agentes culturais e artísticos oriundos dos territórios dos três municípios, que constituem, seguramente, um dos sectores mais afetados pela situação pandémica.

A Programação em Rede “O Mar que nos Une” inclui 120 associações e artistas locais, com 208 eventos, alguns já apresentados durante a época estival.

Para além da animação de verão, o projeto, que não deixa de lado as preocupações ecológicas, integra a instalação de uma obra de Bordalo II – o artista ecológico, em cada um dos três municípios.

Em Cantanhede foi instalada a «Belemnite», na Praia da Tocha, no edifício do CIAX-Centro de Interpretação da Arte Xávega. Em Mira «O Borralho» e na Figueira da Foz decorrem os trabalhos de instalação de uma «Amonite», um grupo extinto de moluscos que existiu há milhares de anos na zona do Cabo Mondego.

A obra encontra-se a ser instalada na bifurcação para o Cabo Mondego e ficará terminada amanhã.

#figueiradafoz#cantanhede#mira#regiaocentro#omarquenosune#andaracatraia#portugalitoral#aculturaésegura#culturaemrede#bordaloiihttps://www.facebook.com/search/top?q=munic%C3%ADpio%20da%20figueira%20da%20foz

cabo mondego; 29/09/2021