crónicas da xávega (196)


tudo é nada

0 ahcravo_DSC_9412

quando tudo acaba
o que começa?

quando o ter sido
não voltará a ser
o que resta?

quando o barco
vencer o mar
nem sempre os homens
se vencem

no fim do fim
não serei nada

encontrei
uma concha na areia
no recuar da onda
peguei nela
senti-lhe a leveza
na palma da mão

tudo era eu
tudo é nada

0 ahcravo_DSC_9412 bw

(torreira; 2016)

crónicas da xávega (189)


oração (2)

0-ahcravo_dsc_6171_marco-16-bw

aos homens que vencem o mar
vencendo-se a si próprios

eu que sou um deles sem o ser
só lhes peço
que sejam em terra os mesmos
de pé altivos destemidos

de joelhos só perante
o senhor dos céus
em oração

0-ahcravo_dsc_6171_marco-16

(torreira; companha do marco; 2016)

crónicas da xávega (174)


as palavras e as imagens

0 ahcravo_DSC_6440_2016 bw

o “M. FÁTIMA” novo e a primeira grande pancada de mar

é normal procurar imagens para as minhas palavras, mas a foto de hoje deixou-me sem elas.

há dias assim, de olhar só

0 ahcravo_DSC_6440_2016

há anos que não fazia uma foto destas. grande barco!

(torreira; 14 de junho de 2016)