memórias da minha coimbra (VIII)


o kim dos ossos
DIGITAL CAMERA

coimbra; praça do comércio; 2009

o tempo da fast food ainda não tinha chegado a coimbra. a tasca do quim, como era conhecida, era famosa pelos ossos de espinhaço de porco cozidos e condimentados à moda do quim.
foi a última tasca de coimbra. tinha duas portas de entrada: a da esquerda dava para a mercearia e da direita, uma porta de duas folhas de vai e vem, levava-nos para o interior da tasca. meia dúzia de mesas, os pipos de encostados à parede com as torneiras prontas a debitar.
começava-se normalmente com uns cricos (berbigões) abertos à quim e depois continuava-se com os famosos ossos e outros petiscos. cada um servia-se do vinho dos barris que ficavam atrás da mesa e ia marcando com um traço cada copo que bebia.
no fim éramos nós, ainda somos apesar de já não ser tasca, que dizíamos o que tínhamos consumido e assim nascia a conta.
quantas noites de violas e guitarras e poesia …..
na tasca do quim não se cantava fado de coimbra, cantava-se zeca afonso, adriano, fado de lisboa e dizia-se poesia.
conviviam estudantes, trabalhadores, licenciados…. era um sitio à parte na cena coimbrã.
encastrada na parede exterior havia uma pedra que servia de banco para duas pessoas, um belo dia sentei-me ao lado de um velhote que, pensativo, seguia com os olhos as jovens estudantes que passavam. de repente volta-se para mim e diz:
– sabe o que me custa? um gajo envelhece e elas continuam a passar sempre novas.
era assim que se aprendia a estar vivo na tasca do quim

memórias da minha coimbra (VII)


0 ahcravo_ DSC_3839

coimbra; praça 8 de maio; a adelaide; 2014

o pinto e vítor gordo
 
 
o tropical é um café da praça da república que faz esquina mas, como a esquina estava a mais, cortaram-na. ficou um recanto acolhedor, no interior, para uma mesa, uma janela sobre a rua e, no exterior, um pequeno poial que servia de assento em dias de sol.
 
era nesse poial que eu, o pinto e vítor nos sentávamos a conversar e a apanhar um pouco de sol.
 
uma das características de coimbra é o modo como os estudantes habitam a cidade: quartos alugados, repúblicas, solares….. havia, porém, uma que era diferente, a “comuna dos galifões”, habitada fundamentalmente pelo núcleo anarquista de coimbra, na maioria rapazes bem constituídos.
 
o pinto e o vítor viviam na comuna, eram praticantes de halterofilismo e senhores de uma envergadura física de invejar. eu, com o meu 1,65m, podia bem sentar-me à sombra deles. e era isso mesmo que acontecia:
 
28 de setembro
 
– cravo, temos de ir ao josé falcão alertar a malta
– oh pá, aquilo é um ambiente tramado
– não faz mal, tu falas e nós guardamos-te costas
 
candidatura do otelo
 
– cravo, vamos fazer umas sessões de esclarecimento aqui à volta
– cuidado, vocês sabem onde nos vamos meter?
– não faz mal, tu falas e nós guardamos-te as costas
 
era sempre assim, um maoista e dois anarquistas. coimbra tem destas coisas.
 
quando acabaram o 6º ano de medicina, pediram um carro emprestado a um amigo e resolveram ir celebrar para a figueira da foz. a falta de hábito de conduzir – nessa época estudante com carro era bicho raro – o ser de noite quando saíram, uma curva traiçoeira na passagem de nível das alhadas….. e o despiste foi-lhes fatal.
 
dentro de renault 5, iam quatro. o carro incendiou-se e, segundo alguns, ainda se ouviram os gritos dos ocupantes, aprisionados dentro do carro.
 
quando o cortejo fúnebre passou em frente aos “galifões” eu estava ao lado do soveral martins, de punho erguido – caíam-nos lágrimas pelo rosto.
 
nestas memórias dei nota de alguns dos meus melhores amigos e de como sem eles coimbra para mim, já pouco tem de interesse.

memórias da minha coimbra (V)


(alfredo) soveral martins
DIGITAL CAMERA

coimbra; praça do comércio; 2008

 
a muitos dos que se darão ao trabalho de ler o que se segue este nome nada dirá.
 
a alguns, os mais calejados pelos anos, o nome “centelha” talvez os remeta para quando tinham pouco mais de 20 anos, ou pouco menos, quem sabe?
 
em 1971, chegado de luanda a fugir de perigos vários, continuo os meus estudos no técnico, e a aventura era comprar os livros proibidos pelo regime, nas bancas da associação de estudantes.
 
aí encontrávamos a preços de estudante uns livros pequenos, com obras de marx, lenine e outros, bem como a poesia de manuel alegre a assis pecheco, entre outros, de uma editora de coimbra chamada “centelha”.
 
(a primeira edição de “praça da canção” e a segunda de “o canto e as armas” foi a centelha que as fez.
 
lembras-te do início, manel? )
 
centelha em russo é “iskra”, nome do jornal do pcus.
 
mal imaginava eu, nessa altura, que viria a ser amigo e, um pouco, companheiro do responsável pela editora.
 
já em coimbra, onde cheguei em 1973, conheci o alfredo soveral martins. marginal dos marginais, não era homem de tertúlias, tinha muito que fazer, dizia, e não podia perder tempo em conversas de café.
 
o seu escritório de advogado, que o era para além de assistente da cadeira de “processo civil” na fduc, era também a sede da centelha, o escritório da centelha…. era a centelha.
 
um homem com uma capacidade de trabalho extraordinária.
 
as reuniões da centelha, de que guardo religiosamente o recibo da minha quota de sócio, eram dominadas pelo seu discurso sempre calmo, em voz baixa, com exposições que podiam demorar, mais de meia hora, em que expunha ao detalhe e com uma lógica irrebatível o seu ponto de vista sobre o assunto em análise.
 
colaborei na montagem da livraria e numa ou outra distribuição pela província.
 
o soveral martins foi das personagens que maior influência teve na formação ideológica de muitos estudantes, de entre os quais alguns, mais tarde, viriam a desempenhar funções de relevo na vida política portuguesa.
 
dele, dele ficou uma campa em chãs de semide, marginal como ele.
 
dele fica aqui um testemunho, também marginal, mas despretensioso.
 
ao mestre pede-se licença e agradece-se.
 
 

memória da minha coimbra (VI)


memórias da minha coimbra (VI)
DIGITAL CAMERA

coimbra; r. visconde da luz

josé manuel maia gomes
em 1972 começaram a ser leccionados em coimbra os três últimos anos dos cursos de engenharia. para suprir o quadro de docentes vieram então muitos recém-licenciados, maioritariamente da universidade do porto.
o maia, como nós o tratávamos, veio na leva de 74. era mais velho que nós um bom par de anos. calmo, humilde, amigo do seu amigo. nascido em espinho, filho de um contabilista, do qual dizia.
– a arte do meu pai é meter o lucro no cu duma agulha
de uma riqueza humana e intelectual extraordinária, da música ao cinema, da poesia à pintura, do xadrez à anedota, de tudo isso se fazia o maia gomes, sem exibicionismos bacocos era na sequência das conversas é que se ia revelando. tocava e compunha ao piano com uma intensidade emocional que espantava, esgotava-se.
as palavras para ele não tinham segredos. era dos poucos que tinham cumprido serviço militar, mas disso dizia:
– eu não tenho o serviço militar cumprido, tenho é comprido, estive lá 4 anos.
quando o criticávamos por não ser mais rápido, respondia:
– oh pá, eu até a dormir, durmo devagar ….
também lorca servia de pretexto para as suas aventuras poéticas:
“ a las cinco en punto de la tarde
i take my cup of tea”
(frederico garcia lord)
há quem escreva livros e os publique. todos os amigos do maia são páginas do livro que ele nunca publicou, a todos dava o que naquele momento lhe ia na alma, escrevia nos guardanapos dos cafés, nas bordas dos toalhetes dos restaurantes… escrevia e dava.
deu-me um, numa noite passada no “noites longas”, a respeito da sua última paixão – o maia andava de paixão em paixão como peixe no mar. no dia a seguir a minha mulher virou-se para mim com ar zangado e disse-me:
– quem é esta maria que te anda a escrever poemas de amor?
fiquei perfeitamente a zero, até que me mostrou o poema que segue:
“Desenhar para ti a forma como te amo
e contar o seu tamanho
seria falar do universo
sentado no chão
com palavras de quando era menino
Ao Tó-Zé Cravo
MG”
expliquei-lhe que MG queria dizer maia gomes, que ela tão bem conhecia.
o maia foi para mim uma espécie de irmão mais velho, só ele me tratava pelo diminutivo de família e eu a ele da mesma forma, quando os dois.
morreu a correr no choupal, entre 2 médicos, com um aneurisma, tinha pouco mais de 50 anos.
a partir de 1986 tinha dado aulas no iscac, que atribuiu o seu nome a uma sala e o homenageou com um busto e o nome numa das fachadas
pedi ao saxofonista autorização para o fotografar, acedeu. deixei uma moeda. terminou o tema, olhou para e mim e perguntou:
– y ahora?
fez uma curta pausa, retomou o instrumento e interpretou o orfeu negro. eu continuei, dizendo o poema em silêncio

memória_19022010


coimbra, memória do 40

DIGITAL CAMERA
nos anos 80, acabada a agitação política foi a vez de a militância se virar para o campo da cultura.
tudo começou por acaso, em 81, numa residência de estudantes, o 40 da ruas das matemáticas, tinham sido feitas obras e, na garagem, um dos moradores expunha pintura. pediram-me, porque era amigo de muitos, que animasse as noite lendo poesia.
sentava-me no chão, levava os livros dos meus poetas – quanto sofreste álvaro de campos? – e lia até …
daí nasceu a ideia: porque não fazer algo diferente, uma mostra de novos criadores nas mais diversa vertentes, expondo os seus originais. a poesia era dita pelo próprio ou, se o não quisesse, por mim e uma estudante que fazia teatro no citac.
às quintas-feiras de 15 em 15 dias, havia festa no 40. a rua estreita enchia-se, já não cabia na garagem e os cafés ao lado faziam negócio. numa noite em que dizia poesia bebia em média uma caneca de aguardente, virado para um canto da sala. estranhamente estava sempre sóbrio.
das sessões à publicação do que ali se fazia foi um passo. em breve nasceria o o nº1 dos “cadernos do 40”. nele participaram com poesia inédita: cravo, freire, pedro conchilha, divulgou-se a poesia do brasileiro, sidney moreno; uma colagem de josé luís e uma pauta de henrique canelhas, interpretada ao piano pelo mesmo e à flauta por mota.
na ficha técnica, lia-se : publicação não periódica, composta pelos artesãos. tiragem: 600 exemplares.
os autores eram também responsáveis pela composição e distribuição dos cadernos. o nº1 esgotou-se em pouco tempo, o nº2 foi o último.
não me lembro quantas semanas, ou meses, a festa durou, mas certamente quase 6. foi, à época, uma marca de cultura marginal, não havia conselho redactorial, para publicar, para estar presente bastava ter a consciência do valor do que se tinha feito.
aventura empolgante e irrepetível aqui lembrada com excertos do editorial do nº1:
“… o 40 é a festa por dentro da palavra, do som, do barro, do óleo, da aguarela, do carvão. O 40 é a festa por dentro de mim, a festa por dentro de ti, a festa por dentro de nós.
O 40 será uma forma de estar no mundo, uma forma de não estar no mundo, mas é fundamentalmente uma forma de estarmos juntos: a mais linda.
SOMOS ARTESÃOS
ODIAMOS CORDIALMENTE OS ESPECIALISTAS E A GATARIA
O que fazemos, fazêmo-lo pelo prazer de o fazer, o sacrifício chegou ao 40 e ficou à porta…..
Somos, e seremos sempre, aliás como tu “os da mansarda”. E é tão bom ser da mansarda. É lá que o sol bate primeiro quando nasce e é de quem em último se despede.
Sejamos pois do sol e da mansarda …..
“os artesãos”
A arte estava na rua e eu parei para ouvir a música.
(coimbra; r. visconde da luz; 2010)

crónica no jornal “Notícias de Aveiro”


imagem
Mais grave, não é atribuírem ao arrais Ançã o salvamento do Nathalie, grave é que para o fazerem ignoram completamente os pescadores da Torreira, eles sim os verdadeiros salvadores – e aí temos documentos que suportam a sua presença e coragem.”
O NAUFRÁGIO DO NATHALIE E O ARRAIS ANÇÃ (QUE NÃO ESTEVE LÁ) II
 
Em Dezembro de 2017, já lá vão dois anos, iniciei uma colaboração, com artigos de opinião, que se prolongaria por 13 meses. O primeiro artigo que publiquei tinha o mesmo título deste em que retomo o tema porque, se então demonstrei, e não houve contraditório expresso, que não havia qualquer evidência documental da participação do arrais Ançã no salvamento do Nathalie, fiquei sempre com uma questão em aberto:
 
Como teria começado esta estória que muitos transformaram em “história” com estórias?
 
A resposta encontrei-a num documento que já tinha consultado, mas não na totalidade – pesquisa em documentos físicos começa no seu início, em documentos encontrados pelo dr. Google leva-nos para onde ele nos indicou e, nem sempre, os lemos a totalidade. Foi um alerta com que fiquei.
 
Espero que com a crónica de hoje o caso fique esclarecido e que, se assim não fôr, venham os defensores com documentos coevos e demonstrem o contrário. Infelizmente estou habituado ao silêncio dos que não concordam com o que escrevo, mas também não têm argumentos que suportam a sua discordância.
 
Em resumo, e usando um ditado popular, “quem cala consente”…. era bom era, deixam que o tempo passe e, sem rebaterem teses com argumentos, lá vêm com as suas teorias.
 
Feita esta breve introdução entremos naquilo que importa: o início da “lenda”
 
 
Da história à “estória” vai uma proposta de lei
 
O documento que está na base da atribuição ao arrais Ançã do estatuto de “salvador do Nathalie “ é a Proposta de Lei nº 737-E, do Ministério da Marinha, apresentada à Câmara dos Deputados em 02 de Agosto de 1922
 
 
A proposta visava a atribuição de uma pensão de 100$ mensais, ao arrais Gabriel Ançã e foi aprovada.
 
Interessante a introdução à Proposta:
 
….. Desejava o Ministério da Marinha trazer ao conhecimento dos representantes da nação a longa lista dos actos de abnegação praticados por este benemérito da humanidade e para tal fim tinha encarregado a Capitania do Porto de Aveiro de colher os necessários elementos junto do próprio Ançã, visto que, não sendo funcionário público, a resenha dos salvamentos por ele efectuados, em barco ou a nado, não consta, na sua maior parte, no registo das estações oficiais.
 
Baldado intento, porque tendo o velho pescador considerado como simples incidentes da sua vida, e sem importância muitos desses salvamentos e ainda porque se lhe obliterou a sua lembrança, não pôde relatá-los tendo aquela capitania procedido à consulta de documentos e informações para poder apontar os seguintes factos: …..
 
Seguem-se as intervenções do arrais Ançã em diversos naufrágios, entre os quais se refere o naufrágio do Nathalie, nos seguintes termos
 
Em 1880 encalhou ao sul da Praia da Torreira, com cerração e mau tempo, o vapor francês Nathalie, começando logo a ser demolido pelo mar, tendo-se refugiado a tripulação, e alguns passageiros, nos mastros.
 
Tendo-se organizado um serviço de salvação com os recursos locais, foi Gabriel Ançã arrais do barco, que, depois de ter atravessado mais de 200 metros de perigosíssima rebentação, conseguiu recolher dezoito náufragos, entre estes uma senhora que numa violenta crise nervosa se lhe prendeu ao pescoço, obrigando-o a dirigir a manobra nesta crítica situação …..
 
E aqui começa a estória do “arrais Ançã salvador do Nathalie”. Quem consultar este documento, ainda por cima Proposta de Lei do Ministério da Marinha, e não for mais além, tem a consagração do salvador, com detalhes muito interessantes – então o da senhora francesa é excelente.
 
Apetece dizer, como na canção, que “afinal havia outro”. repito: o jornalista do Campeão das Províncias não escreveu que o arrais Ançã era o arrais do barco – coisa estranha numa notícia tão minuciosa. O Diário do Governo que identifica e distingue os salvadores do Nathalie, não refere o arrais Ançã, sequer para dizer que estando presente e sido o arrais do barco, lhe era destinada outra distinção noutro diploma.
 
Note-se, no entanto, que no preâmbulo da Proposta do Ministério da Marinha se pode ler: “ não sendo funcionário público, a resenha dos salvamentos por ele efectuados, em barco ou a nado, não consta, na sua maior parte, no registo das estações oficiais”. Logo não há registos oficiais de todos os salvamentos, pelo que as fontes de informação complementares, a que a Capitania do Porto de Aveiro poderá ter recorrido, serão a imprensa local ou depoimentos orais.
 
Entende-se agora porque motivo o Ministério da Marinha refere o arrais Ançã como salvador do Nathalie – há uma lei que o consagrou – e porque é que não há registos no Arquivo da Marinha de qualquer intervenção do arrais Ançã no mesmo naufrágio. Azar, mas este foi um dos registos que não foi feito porque ele não era “ funcionário público”, dirão os defensores da tese da sua participação no salvamento, que não encontram qualquer registo oficial que o confirme -, enquanto outros, como eu, dirão: não há no Arquivo da Marinha, mas também não há nos documentos/relatos à data produzidos – reportagem e Diário do Governo.
 
No caso do Nathalie as únicas fontes escritas conhecidas são a reportagem do Campeão das Províncias e o diploma do Governo de atribuição de medalhas de mérito aos cinquenta e um pescadores da Torreira. em nenhum se fala do arrais Ançã.
 
Mas, mais grave, não é atribuírem ao arrais Ançã o salvamento do Nathalie, grave é que para o fazerem ignoram completamente os pescadores da Torreira, eles sim os verdadeiros salvadores – e aí temos documentos que suportam a sua presença e coragem.
 
Em conclusão, a Capitania num acto, penso eu, de boa vontade, para dar maior força ao pedido de atribuição de pensão ao valoroso arrais Ançã, acrescentou, não sabemos como, o salvamento do Nathalie aos salvamentos feitos pelo arrais Ançã. Começa assim a “estória” do salvador do Nathalie ter sido o arrais Ançã.
 
Numa geração, como a minha, a quem ensinaram, na escola primária, que tinha existido uma “Escola de Sagres”, de que hoje ninguém fala e os que falam sabem que nunca existiu, há dois tipos de atitude face à informação: a confiança nas fontes ou a dúvida e pesquisa sistemática, ou ainda a aceitação passiva do que se escreve, ou vai escrevendo.
 
Tenho o maior respeito pelos homens e mulheres dedicados à escrita da chamada “história local” ou “pequena história”, e ao contributo fundamental que dão para o entendimento e conhecimento de factos a que os historiadores diplomados raramente se dedicam, mas lamento que quando vão para além do que conhecem, e alguns com formação de base em ciências exactas, romanceiem de tal forma os factos, que em vez de serem fornecedores de informação se transformem em incrementadores da confusão.
Certamente que, lá onde está, o arrais Gabriel Ançã muito se ri, e continuará a rir, quando lê certos documentos e, provavelmente pensará: estão-se a afogar e agora é que não os posso salvar.