entrevista a fotogénicos _ 26/03/2012


Entrevista com António Cravo (ahcravo)

foto de etelvina almeida – o próprio, no exercício do hobby; cais do guedes; torreira; 2012

Nasci a 4 de Dezembro de 1951, em Setúbal, descendente de murtoseiros e ílhavos. Baptizaram-me com o nome de António José Cravo, que mantenho. À beira de me reformar – poucos meses, espero – sou um homem sempre em busca. No meu cartão de visita pode ler-se: mestre de artes e ofícios/construtor de memória, diz tudo, e tudo o que diz é pouco para o muito que fiz e tenho para fazer.

Como surgiu a paixão pela fotografia? 

Da forma mas natural, com uma máquina. Em Angola, quando fiquei sozinho o meu pai deixou-me a sua voïglander, depois foi começar a tirar fotos. Daí à revelação e às horas passadas na câmara escura da associação de estudantes, com uma sandes para ir comendo, foi um passo.

Faz da fotografia uma profissão ou um hobby?

A fotografia é um hobby e uma forma de proactiva de interagir com as pessoas e o meio, ou, como escreveu Mário Lúcio Sousa: “estou a morrer não estou?, então, cumpra-se a minha última vontade, quero um fotógrafo, pois o médico adia a morte e o fotógrafo perpetua a vida”. Para mim é isso a fotografia

Defino-me como mestre de artes e ofícios/construtor de memória

Possui formação especifica ou é considera-se um auto-didacta? 

Auto-didacta do mais básico

Que equipamentos e softwares usa?

Uma Nikon d80 e uma Sony s200. O software é o paintshop pro X portable

Qual é o seu equipamento de sonho/eleição? 

Não tenho. Compro sempre equipamento em fim de vida e a bom preço, por isso mesmo. O que importa é estar lá quando as coisas acontecem, ter as objectivas adequadas e saber registá-las.

Analógico ou Digital?

Agora digital, a definição depende da próxima máquina, quando necessidade e disponibilidade houver. Mantenho-me fiel à Sony porque tenho muitas objectivas herdadas da minolta 7xi

Qual a sua preferência quanto aos estilos de fotografia?

Não tenho, embora seja um ferrenho do fotojornalismo, quando se trata de xávega e da ria de Aveiro,  aí estou eu.

Quando fotografa tem um propósito em mente ou deixa-se levar pelas oportunidades que surgem?

Ambas, mas vou muitas vezes atrás do que me interessa, neste momento está-me a dar gozo fotografar skim board. Mas dentro em breve começa a xávega e a ria de Aveiro (pesca, regatas, histórias).

Que acontecimento recente mais o levou a desejar lá ter estado como fotografo e porquê?

A xávega e as regatas de bateiras e moliceiros da ria de Aveiro sempre, são o “Acontecimento” e eu estou lá sempre que posso.

Dos trabalhos fotográficos realizados, qual foi para si o mais marcante e com qual mais se identifica?

Todos os que dizem respeito à xávega, nomeadamente a contribuição para o enriquecimento do site da Junta de Freguesia da Torreira, na homenagem aos pescadores e a elaboração de cerca de 100 fotopoemas sobre os pescadores da xávega da Torreira, de que foram impressos alguns exemplares e entregues à escola local, à Junta e ao Turismo.

Que projectos na área da fotografia tem para o futuro?

Xávega, muita, e continuar o levantamento documental das artes de pesca da ria de Aveiro

Quais as perspectivas actuais e futuras, que tem, da fotografia em Portugal? 

Não tenho. As coisas acontecem independentemente de nós: acontecem. Sou um marginal activo.

Quais são os teus fotógrafos de referência?

Eugénio de Andrade e António Lobo Antunes

Qual a sua opinião acerca do nosso site e na sua óptica que melhorias poderiam ser feitas?

Gosto das alterações feitas, embora continue a pensar que o lettering lateral tem pouca visibilidade.

Deixe o link do seu site ou blog.

https://ahcravo.wordpress.com/

a entrevista: https://fotogenicos-net.blogspot.com/2012/03/entrevista-com-antonio-cravo-hacravo.html?fbclid=IwAR0uykKIlkVBVZEbPkFu_Ows3ekT3h2gqCEfBA3EOEkNEqV28pYldM_5pTI

(nota: na entrevista aparece “hacravo”, quando de facto deveria aparecer “ahcravo”, por isso corrigi mas, continua a haver cravo (hacravo), pelo menos até ver 😉

assim não


loja cidadão figueira da foz.

juntos contra o vírus; em casa

hoje, 13 de novembro, 10h45m

ninguém a aguardar atendimento para ADSE ou qualquer outro serviço.

pergunto se posso entregar documentos – o procedimento não demora mais de 5 minutos.

que não, não tinha marcação. “mas não está ninguém”, respondi.

“estou à espera de um senhor com marcação para as 11h, agora só segunda às 11h”, disse

felizmente não são todos assim, que má imagem nos dão do serviço público pessoas como esta.

“entendi e não entendo”, limitei-me a responder

mas, assim não

crónicas da xávega (358)


2 de setembro de 2016

agostinho trabalhito (canhoto); torreira; 2 de setembro de 2016

como já escrevi na primeira publicação desta série, a minha era digital na xávega começou em 2005 e, na torreira, por motivos vários, terminou no dia 2 de setembro de 2016 – doze anos a registar fotográficamente, e não só, a xávega na torreira


a foto que publico hoje é a “última foto que fiz no mar da torreira”.


como não acredito em coincidências, entendo que o facto de nela aparecer o meu grande amigo agostinho trabalhito “canhoto” não é acaso, tinha de ser.

lembro uma história breve da nossa amizade e que diz tudo.

“um dia, disse-lhe que quando morresse as minhas cinzas iriam ser deitadas ao mar. ao ouvir isto o agostinho, com a maneira de falar que o caracteriza, exclamou:


ah! cravo. eu nesse dia não bou ao mar!

crónicas da xávega (355)


2020 ano a zero

torreira; 2005

em 2005 começou a minha aventura na fotografia digital.


não sou “de fotografar tudo”, tenho os meus temas, sempre os tive. de entre eles o retrato e a xávega começaram por se destacar na era digital, sem quaisquer pretensões.


desde 2005, ano após ano, fotografei a xávega em várias praias da nossa costa. andei por aí.


2020 é o primeiro ano em que não faço uma única foto de xávega, uma única. causas várias em que o covid também tem a sua importância.


neste registo de 2005, fica a memória de um barco: o s. pedro. era propriedade do arrais manuel dias da torreira (é ele que está na bica da ré). anos mais tarde foi comprado pelo arrais zé murta (falecido) que, depois de reparação foi rebaptizado com o nome de “olá s. pedro”.
viria depois a ser vendido para a praia de pedrógão.


a fotografia permite estas viagens.

a beleza do sal (101)


Recriação da safra à moda antiga” – foto 14

salina do corredor da cobra; armazéns de lavos; agosto 2020

giga cheia à cabeça, cinquenta quilos quase, elas caminham com o porte das grandes senhoras que ao vê-las as invejam

postais da ria (363)


chama-se dinis

(torreira; corrida de chinchorros; s paio; 2020)


para quem não conhece, nas festas do s. paio da torreira realizam-se sempre duas regatas à vela ( moliceiros e bateiras) e uma corrida a remos (chinchorros)


este ano a bateira chinchorra vencedora foi a “dinis”.


a estrear, foi feita pelo mestre zé rito, para o neto zé pedro, que lhe deu o nome do irmão, dinis.

na foto vê-se, de pé e em tronco nu, o pai do zé pedro e do dinis, alfredo miranda.

para todos os meus parabéns e um abraço

a beleza do sal (99)


“Recriação da safra à moda antiga” – foto 12

(salina do corredor da cobra; armazéns de lavos; agosto; 2020)

com esta publicação termina a série de fotos em que pretendi mostrar a “Recriação da safra à moda antiga”, organizada em agosto de 2020 no ecomuseu do sal, nos armazéns de lavos.


esta série só foi possível graças a três factores – trabalho, amizade e sorte – e a três pessoas – santos silva, margarida perrolas e gilda saraiva.

esparsamente irão aparecendo outras fotos deste evento mas sem o carácter que a série revestiu.

o meu abraço a todos os que com a sua amizade me permitiram fazer estes “bonecos”.

na foto os marnotos (marronteiros) e os montes de sal

a beleza do sal (96)


“Recriação da safra à moda antiga” – foto 9

salina do corredor da cobra; armazéns de lavos; agosto; 2020

com a giga carregada à cabeça a tiradeira leva o sal para o armazém

os marnotos continuam a tirar sal dos montes e a encher outras gigas