“Poema 12 do livro A PRIMEIRA URINA DA MANHÔ de cláudia r sampaio


o “Poema 12 do livro A PRIMEIRA URINA DA MANHÔ inserto no livro “Já não me deito em pose de morrer”

nota: há um erro na edição do vídeo que procurarei corrigir brevemente. as minhas desculpas

a beleza do sal (118)


aqui agora

armazéns de lavos; achegar; rer; 2019
não desenho palavras
nem sei de outra música
que a das imagens
roubadas à vida

a máquina fotográfica
não gosto de câmera
os meus dedos
incapazes de desenho

nada de novo
trago aos dias

apenas isto
este estar aqui agora
a inventar