Parte I – Aldeias Avieiras do Tejo: espaços urbanos ou territórios rurais?


Desde Fevereiro de 2010 que uma equipa de investigadores do domínio científico do Urbanismo, da Universidade da Beira Interior (UBI), se tem vindo a interessar pelo estudo das aldeias Avieiras do Tejo. O conteúdo desta folha informativa intitulada “Planeamento Urbanístico ad hoc para territórios de excepção: Parte I – Aldeias Avieiras do Tejo: espaços urbanos ou territórios rurais?” é o reflexo deste trabalho que começa agora a divulgar os primeiros resultados, como vimos com a apresentação dos resultados do trabalho de mestrado aqui publicado, da responsabilidade da Arquitecta Vânia Loureiro, da UBI.

A presente Folha é da responsabilidade de Ana Lídia Virtudes, Professora auxiliar da UBI, e Filipa Almeida, Mestre em Arquitectura e doutoranda em Arquitectura também pela UBI. Ambas estão ligadas ao departamento de Engenharia Civil e Arquitectura da Universidade da Beira Interior.

Bastante lhes agradecemos a sua colaboração e ficamos a aguardar por novos trabalhos.

 

Gabinete de Coordenação

(Candidatura da cultura Avieira a património nacional)

 

Cultura Avieira – Um património, uma identidade

 

FOLHA Nº21-2012_Aldeias Avieiras do Tejo como espaços urbanos ou como territórios rurais

Homenagem a seis porta-vozes da memória Avieira


No decurso do 3º Congresso Nacional da cultura Avieira, foram distinguidos seis pescadores Avieiros, três homens e três mulheres, com idades compreendidas entre os 80 e os 88 anos.

O entendimento do Instituto Politécnico de Santarém ao homenagear pescadores avieiros transmissores de saberes, fazeres e inúmeros saber-fazer, decorre deste ser um dos objectivos prioritários para levar a cabo a salvaguarda do património cultural avieiro, garantindo assim que prossigam com a expansão dos seus conhecimentos e técnicas e que, por sua vez, as transmitam às gerações mais jovens.

Este reconhecimento público, em vida dos homenageados, reflecte uma postura pela qual aos que têm mérito deve reconhecer-se-lhes em vida as características particulares que os distinguem dos demais e os evidenciam como modelos.

O reconhecimento público foi simples mas carregado de significado, de emoção e de afecto, e consistiu na atribuição de diplomas e da leitura pública de uma síntese do seu trajecto de vida. A entrega destes diplomas foi feita em sessão pública solene, no 3º Congresso Nacional da Cultura Dia Avieira, no dia 9 de Junho de 2012.

Pela importância do seu exemplo, junto apresentamos uma Folha Informativa na qual se apresentam sínteses de currículos de vida desses homens e dessas mulheres, que simbolizam afinal o trajecto de todos os que pertencem àquela comunidade, e justificam por que razão lutamos pelo reconhecimento e pelo domínio de instrumentos necessários ao trabalho e à sobrevivência.

 

Gabinete de Coordenação

(Candidatura da cultura Avieira a património nacional)

 


Cultura Avieira – Um património, uma identidade

 

FOLHA Nº20-2012_Porta-vozes da memória Avieira

Divulgação pública da base de dados sobre os Avieiros, que foi o suporte do livro “Avieiros – Dores e Maleitas”


De acordo com o que fora prometido anteriormente, junto se anexa um ficheiro com toda a base de dados criada pela Dra. Lurdes Véstia, para fundamentar o seu estudo sobre as dores e as maleitas dos Avieiros, já pulicado em livro sob chancela da Âncora Editora.

A base de dados foi construída a partir da sistematização dos ficheiros do hospital da Santa Casa da Misericórdia de Santarém, abrange o período que medeia entre 1858 até 1966, e comporta 691 registos.

De acordo com o seu Provedor, Eng.º Mário Rebelo, o acervo documental da Santa Casa da Misericórdia de Santarém constitui um património único. Ficará sempre incompleta a história dos últimos cinco séculos da região escalabitana, sem uma consulta a este acervo documental. Foi este valioso e importante legado documental, que está à disposição da comunidade em geral e, mais especificamente, da sociedade científica e académica, que proporcionou a investigação fundamentada e comprovada que levou à produção dos resultados que agora se apresentam nesta obra [“Avieiros – Dores e Maleitas”], que urge divulgar.

Dessa base de dados específica, os autores autorizaram que tivesse divulgação pública, o que agora fazemos.

As fichas foram extraídas directamente do software utilizado para a construção da base de dados, pelo que se apresentam em formato PDF, não podendo ser alterada a formatação. Desta forma a presente Folha Nº 19-2012 não apresenta a página de rosto como tem sido norma. Apesar de não sermos responsáveis por tal facto, apresentamos as nossas desculpas aos nossos leitores.

 

Gabinete de Coordenação

(Candidatura da cultura Avieira a património nacional)

 


Cultura Avieira – Um património, uma identidade
 

A celebração do 3º Dia Nacional do Avieiro, Barreira da Bica (Vale de Figueira-Santarém), 2012


Decorreu o 3º Dia Nacional do Avieiro, no dia 1 de maio de 2012, desta vez tendo como cenário a antiga aldeia de Barreira da Bica, situada na freguesia de Vale de Figueira, concelho de Santarém.

Contou com várias centenas de participantes, entre antigos pescadores, descendentes e seus familiares, convidados e entusiastas na divulgação e preservação da cultura desta comunidade. A comunidade Avieira encontrou-se de novo para celebrar anualmente e construir o seu projecto identitário.

Desses momentos inesquecíveis vos damos conta na presente Folha Informativa.

O gabinete de coordenação

(Projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional imaterial e da Unesco)


Cultura Avieira – Um património, uma identidade

 FOLHA Nº18-2012_3º Dia Nacional do Avieiro_BARREIRA DA BICA[1]

3º Congresso Nacional da Cultura Avieira


Editor: Instituto Politécnico de Santarém
Coordenação: Gabinete coordenador do projecto
Ano 5; N.º 183; Periodicidade média semanal; ISSN:2182-5297; [N.9]

Integrando a 49.ª Feira Nacional de Agricultura, 59.ª Feira do Ribatejo, o CNEMA – Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas -, S.A. foi palco do 1º Fórum Ibérico do Tejo e do 3º Congresso Nacional da Cultura Avieira.

Com manifestações culturais paralelas decorrendo em simultâneo – do folclore à pintura, à fotografia, à arqueologia e às embarcações Avieiras e da Vieira de Leiria -, o Tejo foi a centralidade que congregou, durante dois dias, académicos e estudiosos, portugueses, castelhanos e galegos e uma das comunidades mais identitárias para a cultura das gentes taganas – a Avieira.

Destes eventos vos damos conta na presente Folha Informativa.

 

O gabinete de coordenação

(Projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional imaterial e da Unesco)

FOLHA Nº16-2012_1º Fórum Ibérico_3º Congresso da Cultura Avieira

A divulgação do Projeto da Cultura Avieira na rede social “Facebook – Grupos”


A divulgação do Projeto Nacional da Cultura Avieira na rede social “Facebook – Grupos” insere-se na estratégia de comunicação e de marketing proposta para o Projeto. É um instrumento basilar e importante, designadamente pela contribuição para asensibilização cultural e patrimonial das Aldeias Avieiras, do barco e da gastronomia, das festas e romarias a elas associadas e dos eventos culturais que nelas e com elas se produzem em termos de informação, atração e captação de visitantes.

Da criação de um sítio no Facebook dedicado à cultura Avieira vos damos conta na presente Folha Informativa.

À sua autora, Lurdes Véstia, apresentamos os nossos sinceros agradecimentos.

Por outro lado, aproveitamos para vos dar conta noutro documento anexo da acção protocolar que ocorreu no Instituto Politécnico de Santarém, em 24 de Fevereiro corrente, com a Universidade de Castilla – La Mancha, de Talavera de la Reina, para concretizar projetos educativos, formativos, investigativos e culturais entre as duas instituições ibéricas de ensino superior e universitário, tendo como eixo de acção fundamental as culturas ribeirinhas do Tejo.

 

O Gabinete de Coordenação

(Projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional imaterial e da Unesco)

 

 _FOLHA Nº 09-2012_Divulgação do Projeto dos Avieiros na rede social


A criação da Associação dos pescadores Avieiros


Foi criada a Associação para a Promoção da Cultura Avieira, abreviadamente designada por APCA, ou Associação dos Avieiros.

Este é mais um passo importante para a afirmação das comunidades Avieiras e uma forma de demonstrar que o projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional só faz sentido se conseguir em primeiro lugar contribuir para a melhoria das condições de vida e de afirmação das comunidades ribeirinhas.

De acordo com o documento que segue em anexo, produzido pela APCA para ser distribuído pela imprensa e pelas comunidades, pretendem os Avieiros ter uma voz e um papel ativos no apoio e na dinamização de ações que visem defender os interesses da sua comunidade, como também contribuir para a elevação da cultura Avieira a património nacional.

É nosso dever informar sobre a nova Associação e sobre a importância da sua constituição e é o que fazemos com a criação desta Folha Informativa.

Pela primeira vez uma Folha Informativa aparece com o número oficial do ISSN, o que significa que este instrumento de comunicação que o projecto criou, passa a estar disponível na Biblioteca Nacional de Portugal, atingindo uma dimensão institucional de âmbito nacional.

Ao IADE e ao nosso amigo Prof. Carlos Barbosa, ele próprio também perfilhado pelos Avieiros, agradecemos a preciosa colaboração para a criação do logótipo da APCA.

 O Gabinete de Coordenação

(Projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional imaterial e da Unesco)

 

FOLHA Nº08-2012_A Associação dos pescadores Avieiros