arte são


 

 

precioso o rigor

olhos às mãos

atentos na minúcia

dos movimentos

precisos

 

gestos destros

de carinho

afaga metais madeira

pedra

 

do amor quotidiano

pelas pequenas coisas

despretensiosas

gentes obras erguem

ofertadas com a delicadeza

do chá saboreado em tendas

que nos cobrem do sol

do tempo em que

 

ali permaneço

preso ao labor e ao amor

não ao negócio

que esse vem depois

com a necessidade de subsistir

 

falo deles

e a arte são

 

(buarcos, feira medieval, páscoa 2012)

feira medieval de buarcos_páscoa 2012_os rostos


isabel baptista

olha as pedras

as runas nelas

inscritas

manuseia-as

 

há algo de estranho

no seu olhar

 

as pedras

colhi-as no meu rio

 

celtas os caracteres

rituais

escritos a sangue

são agora memória

e símbolo

 

de olhos fechados

apanhei uma pedra do cesto

com a runa do dia

o significado, perguntei

 

encontro e amor

 

de tudo isso se tinha feito

o meu dia

sorte?

coincidência?

 

que importa

a runa falou

e disse a verdade