poesia da ria


 

todo o tempo é
agora
toda a geografia é
aqui

a luz é admirável
e tu

esquece o mais

o instante
o lugar
o estares
povoam-te

estás vivo
sente-lo
como nunca

não existes apenas
o real fere-te
sangras vida

és o sol

 

Anúncios

onde os olhos


 

onde os olhos

ouço

por dentro

sons

vozes de amigos

gritos de aves

 

o suave rumor

do deslizar

dos barcos

no caminho

das águas

 

onde os olhos

poisam

perco as asas

e sou mais

do homem


o moliceiro velho beija a bateira nova. assim a vida seja

dirás do homem
pela sua obra
a alegria de ser
é para ele o fazer
sorri

mãos de trabalho
mãos de pai
mãos de mãos
um barco mais um
a filha no barco
os filhos sempre
nos barcos do homem

o homem é
porque fez
não porque o fizeram

é esta a minha
gente

 

…………..

 

para ler com vídeo