cais do bico, 21 de agosto de 2013


ti abílio carteirista, um homem da ria que não se ri desta obra

ti abílio carteirista, um homem da ria que não se revê nesta obra

será esta a última série de registos sobre os levantamentos de s. bartolomeu e o afundamento do cais do bico. foram feitos cerca das 18h, no fim da maré.

hoje dia 22 é-me impossível estar lá para registar aquela que será, segundo quem sabe, a maré mais alta, por volta das 19h.

quando escrevo “afundamento do cais do bico”, escrevo também afundamento de algumas centenas de milhares de euros, ou milhões, que não foram devidamente investidos.

quem os pagou? todos nós

o erro está à vista de todos, quem errou, também estará?

quando se fala da responsabilização dos políticos, será que aqui também se afunda e se confunde com as águas? será que bóia?

a maravilha das maravilhas é que, se calhar, onde o bico se afunda há quem continue a nadar.

bons banhos ……

cais nascente

DSC_9094

DSC_9095

DSC_9096

DSC_9097

DSC_9099

DSC_9101

DSC_9102

DSC_9106

DSC_9107

DSC_9108

DSC_9109

DSC_9110

DSC_9115

DSC_9116

DSC_9118

DSC_9120

IMG_4506

cais poente

DSC_9112

DSC_9113

cais do bico, 20 de agosto de 2013


 

as fotos que se seguem foram tiradas cerca das 17h, hora da pré-mar.

a água continua, no entanto, a subir no cais durante mais algum tempo, até que o nível das águas no exterior baixe o suficiente.

haverá assim que considerar, no caso do cais do bico, mais um atraso de maré.

tome-se como referência a hora da maré na barra de aveiro e façam-se os seguintes atrasos:

– 1h30m para o bico

– ???????????? para dentro do cais

 

sempre a maravilhar-me

 

DSC_8913 DSC_8917 DSC_8919 DSC_8920 DSC_8923 DSC_8926 DSC_8927 DSC_8928 DSC_8930 DSC_8931 DSC_8933 DSC_8934 DSC_8935

 

murtosa: as obras nos cais do Bico ou um bico de obra


assentar a calçada (2012)

assentar a calçada (2012)

 

 

as obras de remodelação dos cais do Bico, mostram à evidência, ou aos olhos de quem por lá passa em dia de maré cheia, que há algo que não está bem. então a água entra no cais como se a ria se prolongasse por ele dentro? é essa a ideia de um cais: ficar debaixo de água?

 

as imagens estão aí, tiradas por mero acaso em 2012 e 2013, no verão, em dias de marés vivas, mas sem chuva, imagine-se uma situação de maré viva e com chuva…..

 

repare-se na foto em que é claro que a cota dos cais remodelados está abaixo da do cais da marina. porquê? o que terá levado a que se tivesse feito desse modo? quem fez o projecto conhecia o Bico? quem o aprovou, fiscalizou a obra e a recebeu, conhecia o Bico? para estas perguntas, que normalmente não teriam cabimento, a resposta teria de ser sim. porque esse é o princípio que rege toda a obra: o saber do onde, como,para quê e para quem. só que no caso do Bico, face o resultado elas surgem naturalmente.

 

talvez encontre uma resposta para o abaixamento da cota: ficar ao mesmo nível do lado oeste (do mar) do Bico.

 

mas quem conhece o Bico sabe que os cais centrais ficavam sempre debaixo de água quando ocorriam marés vivas. então a obra teria sido uma boa altura para os elevar e impedir que isso voltasse a acontecer. mas não, agora a ria já não passa por cima da lama, passa por cima da pedra e de alguns milhões de euros malbaratados.

 

assisti ao assentamento da parte final da calçada e, a foto atesta-o, o piso ainda estava cheio de sal da última maré cheia. quem pode dar garantias sobre esta calçada?

 

depois inventaram uns muretes de cimento para impedir que a água entrasse, mas esqueceram-se que a água também pode vir de baixo…. mais uns euritos. a menos que se estivesse a pensar em fazer piscinas para que algumas crianças pudessem gatinhar pela primeira vez nas águas da ria.

 

isto para não falar nos molhes, onde é suposto as embarcações atracarem, e que em vez de serem na vertical – como foi feito mais tarde na ribeira de Pardelhas e está a ser feito na Cambeia, permitindo uma atracação fácil, com pequenas escadas chumbadas no encosto – se optou por uma inclinação tal que foi necessário reconstruir ou reinventar os cais palafitas de antes das obras.

 

quantos milhões de euros custou a obra? quanto tiveram de gastar os utilizadores na construção dos acessos ao seus barcos? quanto tempo vão durar os cais centrais, a calçada? como é possível tanto erro e tanto dinheiro mal gasto? quanto custou tudo isto ao contribuinte? que imagem fica do Bico?

 

certamente que o Bico e a Murtosa mereciam melhor.

 

vão até ao Bico, vejam e, pelas marés de S. Bartolomeu, em agosto, pasmem.

 

por vezes, ver é inconveniente e pensar pode ser perigoso para certas poltronas.

 

mais fotos

 

à direita o cais da marina, à esquerda o cais remodelado

à direita o cais da marina, à esquerda o cais remodelado

 

maré viva 2012, o cais central

maré viva 2012, o cais central

 

maré viva 2012, pormenor da água dentro cais

maré viva 2012, pormenor da água dentro cais

 

maré viva 2012, a ria por cima do molhe

maré viva 2012, a ria por cima do molhe

 

2012, os encostos palafitas

2012, os encostos palafitas

 

 

maré viva 2013

maré viva 2013

 

maré viva 2013

maré viva 2013

 

maré viva 2013

maré viva 2013

 

maré viva 2013

maré viva 2013, o interior alagado

 

 

maré viva 2013

maré viva 2013