o moliceiro “Marco Silva”


para o arrais marco silva

e partiu de vela erguida

e partiu de vela erguida

haver no homem o sonho
a força o querer o fazer

o sentir da casa cheia
os amigos os filhos

um barco onde todos
se abraçam se sabem são
voa na ria um barco novo
ao leme um homem que sonhou
soube dar ao sonho a forma de barco
um moliceiro a que emprestou o nome

vogam os dois na ria
e o presente sorri de ainda
haver homens assim por aqui

é possível construir o futuro

DSC_9468

ria de aveiro; torreira; 20 de junho de 2015

o vento era pouco onde a vontade foi muita, mas o “Marco Silva” velejou pela primeira vez