crónicas da xávega (27) – tudo é eles


enormes os homens

enormes os homens

a pedra em bruto
o mar em fúria
o homem

erguer o olhar
do tamanho de ser eu
coisa pouca

vejo esta gente imensa
que esculpe a pedra
vence o mar
faz vida

ser deles um bater breve
à porta da memória
deixar dito

tudo é eles

ahcravo_DSC_3717_marco_10

(xávega; torreira; 2010)

crónicas da xávega, torreira (21)


pelo mar adentro

pelo mar adentro

(para o alfredo amaral)

há um perto longe
por dentro das palavras

amigo tem
m de mar
a de alfredo
o de ondas

há uma mão estendida
um abraço
uma onda que não morre
na praia dos dias
longe do mar

dás-me o que te não posso dar
o sorriso da memória
dos dias vividos ao pé do mar

há homens assim
que não vencendo as ondas
por ficarem em terra
vencem a geografia
e se excedem de tanto

a criança fez-se homem
o jovem envelheceu
a amizade nunca aprendeu
a linguagem do tempo

hoje vieste ter comigo

ahcravo_DSC_2652s marco 12
(torreira; companha do marco; 2012)

quem somos nós?


 

 

o maria de fátima

o maria de fátima

quem somos nós?
que tão pouco contamos
a não ser para as contas dos que
contos nos contam de encantar
quem somos nós?

que gente é esta que ganha ao mar
para perder em terra?

flores no peito vermelhas em abril
secam o ano inteiro em jarras
de fato e gravata
decorando salas onde se passeiam
camaleónicos figurantes

quem somos nós
que deixamos de ser
para sermos o que querem?

vencer o mar
não é vencer na vida

 

(torreira; companha do marco)