Parte I – Aldeias Avieiras do Tejo: espaços urbanos ou territórios rurais?


Desde Fevereiro de 2010 que uma equipa de investigadores do domínio científico do Urbanismo, da Universidade da Beira Interior (UBI), se tem vindo a interessar pelo estudo das aldeias Avieiras do Tejo. O conteúdo desta folha informativa intitulada “Planeamento Urbanístico ad hoc para territórios de excepção: Parte I – Aldeias Avieiras do Tejo: espaços urbanos ou territórios rurais?” é o reflexo deste trabalho que começa agora a divulgar os primeiros resultados, como vimos com a apresentação dos resultados do trabalho de mestrado aqui publicado, da responsabilidade da Arquitecta Vânia Loureiro, da UBI.

A presente Folha é da responsabilidade de Ana Lídia Virtudes, Professora auxiliar da UBI, e Filipa Almeida, Mestre em Arquitectura e doutoranda em Arquitectura também pela UBI. Ambas estão ligadas ao departamento de Engenharia Civil e Arquitectura da Universidade da Beira Interior.

Bastante lhes agradecemos a sua colaboração e ficamos a aguardar por novos trabalhos.

 

Gabinete de Coordenação

(Candidatura da cultura Avieira a património nacional)

 

Cultura Avieira – Um património, uma identidade

 

FOLHA Nº21-2012_Aldeias Avieiras do Tejo como espaços urbanos ou como territórios rurais

Homenagem a seis porta-vozes da memória Avieira


No decurso do 3º Congresso Nacional da cultura Avieira, foram distinguidos seis pescadores Avieiros, três homens e três mulheres, com idades compreendidas entre os 80 e os 88 anos.

O entendimento do Instituto Politécnico de Santarém ao homenagear pescadores avieiros transmissores de saberes, fazeres e inúmeros saber-fazer, decorre deste ser um dos objectivos prioritários para levar a cabo a salvaguarda do património cultural avieiro, garantindo assim que prossigam com a expansão dos seus conhecimentos e técnicas e que, por sua vez, as transmitam às gerações mais jovens.

Este reconhecimento público, em vida dos homenageados, reflecte uma postura pela qual aos que têm mérito deve reconhecer-se-lhes em vida as características particulares que os distinguem dos demais e os evidenciam como modelos.

O reconhecimento público foi simples mas carregado de significado, de emoção e de afecto, e consistiu na atribuição de diplomas e da leitura pública de uma síntese do seu trajecto de vida. A entrega destes diplomas foi feita em sessão pública solene, no 3º Congresso Nacional da Cultura Dia Avieira, no dia 9 de Junho de 2012.

Pela importância do seu exemplo, junto apresentamos uma Folha Informativa na qual se apresentam sínteses de currículos de vida desses homens e dessas mulheres, que simbolizam afinal o trajecto de todos os que pertencem àquela comunidade, e justificam por que razão lutamos pelo reconhecimento e pelo domínio de instrumentos necessários ao trabalho e à sobrevivência.

 

Gabinete de Coordenação

(Candidatura da cultura Avieira a património nacional)

 


Cultura Avieira – Um património, uma identidade

 

FOLHA Nº20-2012_Porta-vozes da memória Avieira

Divulgação pública da base de dados sobre os Avieiros, que foi o suporte do livro “Avieiros – Dores e Maleitas”


De acordo com o que fora prometido anteriormente, junto se anexa um ficheiro com toda a base de dados criada pela Dra. Lurdes Véstia, para fundamentar o seu estudo sobre as dores e as maleitas dos Avieiros, já pulicado em livro sob chancela da Âncora Editora.

A base de dados foi construída a partir da sistematização dos ficheiros do hospital da Santa Casa da Misericórdia de Santarém, abrange o período que medeia entre 1858 até 1966, e comporta 691 registos.

De acordo com o seu Provedor, Eng.º Mário Rebelo, o acervo documental da Santa Casa da Misericórdia de Santarém constitui um património único. Ficará sempre incompleta a história dos últimos cinco séculos da região escalabitana, sem uma consulta a este acervo documental. Foi este valioso e importante legado documental, que está à disposição da comunidade em geral e, mais especificamente, da sociedade científica e académica, que proporcionou a investigação fundamentada e comprovada que levou à produção dos resultados que agora se apresentam nesta obra [“Avieiros – Dores e Maleitas”], que urge divulgar.

Dessa base de dados específica, os autores autorizaram que tivesse divulgação pública, o que agora fazemos.

As fichas foram extraídas directamente do software utilizado para a construção da base de dados, pelo que se apresentam em formato PDF, não podendo ser alterada a formatação. Desta forma a presente Folha Nº 19-2012 não apresenta a página de rosto como tem sido norma. Apesar de não sermos responsáveis por tal facto, apresentamos as nossas desculpas aos nossos leitores.

 

Gabinete de Coordenação

(Candidatura da cultura Avieira a património nacional)

 


Cultura Avieira – Um património, uma identidade
 

A celebração do 3º Dia Nacional do Avieiro, Barreira da Bica (Vale de Figueira-Santarém), 2012


Decorreu o 3º Dia Nacional do Avieiro, no dia 1 de maio de 2012, desta vez tendo como cenário a antiga aldeia de Barreira da Bica, situada na freguesia de Vale de Figueira, concelho de Santarém.

Contou com várias centenas de participantes, entre antigos pescadores, descendentes e seus familiares, convidados e entusiastas na divulgação e preservação da cultura desta comunidade. A comunidade Avieira encontrou-se de novo para celebrar anualmente e construir o seu projecto identitário.

Desses momentos inesquecíveis vos damos conta na presente Folha Informativa.

O gabinete de coordenação

(Projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional imaterial e da Unesco)


Cultura Avieira – Um património, uma identidade

 FOLHA Nº18-2012_3º Dia Nacional do Avieiro_BARREIRA DA BICA[1]

3º Congresso Nacional da Cultura Avieira


Editor: Instituto Politécnico de Santarém
Coordenação: Gabinete coordenador do projecto
Ano 5; N.º 183; Periodicidade média semanal; ISSN:2182-5297; [N.9]

Integrando a 49.ª Feira Nacional de Agricultura, 59.ª Feira do Ribatejo, o CNEMA – Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas -, S.A. foi palco do 1º Fórum Ibérico do Tejo e do 3º Congresso Nacional da Cultura Avieira.

Com manifestações culturais paralelas decorrendo em simultâneo – do folclore à pintura, à fotografia, à arqueologia e às embarcações Avieiras e da Vieira de Leiria -, o Tejo foi a centralidade que congregou, durante dois dias, académicos e estudiosos, portugueses, castelhanos e galegos e uma das comunidades mais identitárias para a cultura das gentes taganas – a Avieira.

Destes eventos vos damos conta na presente Folha Informativa.

 

O gabinete de coordenação

(Projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional imaterial e da Unesco)

FOLHA Nº16-2012_1º Fórum Ibérico_3º Congresso da Cultura Avieira

cultura avieira e Projecto Comenius – We Are What We Eat (WAWWE)


A Escola Profissional do Vale do Tejo de Santarém (EPVT) promoveu um encontro de alunos e de professores de várias escolas da União Europeia, no âmbito do desenvolvimento do Projecto Comenius – We Are What We Eat (WAWWE) que visa debater hábitos alimentares saudáveis nas escolas.

No âmbito da temática “Gastronomia enquanto agente identitário das comunidades” foi o Projecto da Cultura Avieira convidado para fazer uma apresentação do seu ideário e dos seus objectivos, no decurso dos trabalhos deste encontro internacional, que juntou comunidades de Portugal, Bélgica, Grécia, Itália e Polónia.

Dessa acção vos damos conta na presente Folha Informativa.

 

O gabinete de coordenação

(Projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional imaterial e da Unesco)

FOLHA Nº15-2012_O projecto educativo europeu Comenius e a cultura Avieira