urge cantar


 

havia

na casa velha

uma janela por onde a lua

 

havia

na casa velha

uma porta por onde o sol

 

havia

na casa velha

alguém que guardava a luz

na cegueira de não deixar ver

 

vieram

da casa velha

com aromas gastos

sabores amargos

bolorentas palavras

 

sinistra gente esta

que aqui chegou com mansos passos

de coelho ditos

 

urge fazer a ouvir

a canção que para outros feita foi

ei-los que partem…”

sorriremos então

os mais pobres dos pobres?


e bota para dentro

e bota para dentro

serão os pescadores da xávega “os mais pobres dos pobres”?

por favor, diz o que pensas disto, que eu penso assim:

de há uns tempos a esta parte, circulam na net e na comunicação local, textos em que os pescadores da xávega são referidos como sendo “os mais pobres dos pobres”.

que um autor, usando da sua liberdade de criador use esta frase poderá ser compreensível, mas não aceitável, que autoridades locais também a usem começa a ser algo discutível e a ser matéria, no mínimo, de debate.

das comunidades piscatórias que conheço, e que são constituídas por uma fatia significativa da comunidade piscatória da xávega, não encontro nelas abundância ou fartura, mas também não é a miséria a característica dominante. na sua maioria os pescadores das companhas são reformados, que procuram na pesca uma contribuição adicional para o rendimento do agregado familiar – ou foram emigrantes, ou pescadores do arrasto ou do bacalhau, ou ainda, no caso da torreira, fazem vida entre ria e mar.

se eles fossem “os mais pobres dos pobres”, como classificaríamos os sem abrigo urbanos, a pobreza urbana onde há reformas de miséria e tudo tem de ser comprado. não conheço maior miséria que esta: a urbana. ser pobre e viver numa cidade é ser “muito pobre”.

se se quer destacar os pescadores da xávega dos restantes portugueses, não penso que esta seja a melhor forma, nem a mais motivadora, para manutenção e defesa de uma arte que é ameaçada de extinção a cada dia. fale-se, isso sim, da sua bravura e das adversidades que dia a dia atravessam quando defrontam o mar.”

a tua opinião conta, a minha, sendo esta, poderá ser revista se me provarem que estou errado.

em comentário dá tua opinião

obrigado