as longas manhãs da xávega


 

cacilda brandão

cacilda brandão

 

pelas 4 da madrugada o arrais vai até às dunas ouvir e sentir o mar. se estiver de feição chama a companha, agora por telemóvel, e ao raiar do dia já o barco está no mar.

são 3 os factores de que depende uma manhã de xávega:
– o estado do mar
– a qualidade e a quantidade da captura
– o preço de venda

se os 3 forem favoráveis, a companha poderá fazer até 3 lanços de manhã, o que implica trabalhar sem parar até ao meio dia, uma hora.

intervalo de hora a hora e meia para almoçar e volta-se de novo ao mar, se este o permitir. os lanços da tarde dependem, como os da manhã, dos mesmos factores.

as manhãs da xávega são longas quando se pode e se justifica pescar.
– o ti chico brandão, já falecido, foi pai de 9 filhos, a cacilda é sua filha e mulher de mar. braço de trabalho como poucos-

(torreira; companha do marco; 2010)

pancada de mar


barco de mar maria de fátima

barco de mar maria de fátima

são estes os momentos mais dramáticos e “fotográficos” da xávega, aqueles em que procuramos um momentâneo equilíbrio entre a amizade e a
admiração dos que dentro do barco vão, e a força do mar a espumar raiva.

é uma divisão entre o espectáculo e a amizade/admiração.

para o que der e vier, com eles e com todos para que saibam como é, o imaginem pelo menos: estou lá e procuro fazer o melhor. isso lhe devo como amigo.

se as faço a eles as devo, se não as faço melhor é porque é muito difícil ser-lhes semelhante na arte.

(torreira; companha do marco; 21010)

os noivos do mar


 

barco mar maria de fátima

barco mar maria de fátima

 
só sei de dois mares
o dos que ficam com ele
pendurado nos olhos
e o dos que só são se por ele dentro

ter o mar por destino
é ter nascido e crescido a ele igual
tê-lo ouvido rugir no berço
nas noites de nortada invernal
e esperar ansioso o dia

de com ele noivar

 

(torreira; companha do marco; 2010)