memória_14052010


no areal imenso
deita-se o dia
em busca do silêncio
um lençol de água cobre-lhe
os pés cansados
de tanto andar

a claridade não ofusca
o dia sequer a busca

escuto e olho
na ânsia de nada perder
que a beleza é rara 
e perdê-la é crime

(figueira da foz; praia da claridade)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s