por isto estou na equipa de jorge bacelar


marina dos pescadores da torreira

marina dos pescadores da torreira

iremos:

  • Rever o projecto aprovado para o porto de abrigo da Torreira, depois de ouvidos os pescadores e dotá-lo de armazéns de apoio e de estruturas de venda;
  • Fazer a manutenção das infraestruturas de apoio à pesca;
  • Desassorear e balizar o leito da ria ;

viagens impossíveis ?


recriação da xávega com bois, torreira, setembro, 2013

recriação da xávega com bois, torreira, setembro, 2013

 

tudo tem o seu tempo

que o tempo tudo tem

 

viagens impossíveis não as há

queiram os homens navegar

ser o testemunho da memória

o tempo por dentro do tempo

para além do tempo

 

nada é o que foi

mas a imitação do ontem

é a construção hoje

de um amanhã

onde ter sido é orgulho

de um povo

 

viagens impossíveis

só as que não quisermos fazer

recriação da xávega na torreira, em 22 de setembro de 2013


DSC_2693

 

foi, sem dúvida, a melhor recriação a que até hoje assisti. estão de parabéns a organização e o magnífico dia que tão bem contribuiu para que tudo corresse bem.

refira-se que, à excepção da utilização dos bois, como força de tracção, das vestes dos participantes e dos primeiros momentos do largar (a remos durante mais tempo que o que hoje se usa), tudo o mais é actual.

foram muitos os que quiseram assistir a esta recriação, a praia estava cheia como se agosto fosse, e não era …..

ficam, porém, aqui alguns “avisos à navegação”, como escreveu em tempos o meu grande amigo joaquim namorado.

1. seria conveniente criar uma zona cercada por cordas, no interior da qual a recriação ocorresse. só assim se evitaria que fotógrafos fotografassem outros e se tornasse quase impossível, obter um registo só com a recriação

2. porque não fazer recriações todos os anos, como em muitas outras praias, e não só em ano de eleições autárquicas e dentro do período eleitoral ( procurei no programa do partido que actualmente está no executivo da autarquia e não vi qualquer referência ao mar ou à xávega….)

3. aos participantes gostava de lembrar, sem os querer ensinar sobre o que quer que seja, que os bois que participaram na recriação não estão habituados a esta faina, pelo que violência gratuita sobre eles em nada beneficia a recriação e cria aversão, com razão, em muitos assistentes.

4. na torreira há 2 companhas, porque não juntá-las neste evento ou alternar, caso haja mais, a participação?

quanto às fotos que aqui deixo como testemunho daquilo a que assisti, representam aquilo que pude registar, uma vez que fui insultado e impedido de fotografar pelos dois donos da companha, antes da hora em que o evento se tornou público – tinha eu chegado com 1h30m de antecedência – e não autorizado a divulgação de fotos suas.

ficam assim, aqui, os registos possíveis e o agradecimento àquela murtoseira que se me dirigiu na praia e disse: “obrigado pelas suas fotografias, quando estamos tristes nos estados unidos e temos saudades da terra, vamos vê-las”. é também por eles que aqui estou.

 

nota: a sequência porque as fotos são apresentadas é a sequência natural dos acontecimentos: pôr o barco no mar, o ganhar do mar e o alar das calas

DSC_2696

DSC_2698

DSC_2703

DSC_2705

DSC_2706

DSC_2707

DSC_2708

DSC_2710

DSC_2714

DSC_2717

DSC_2718

DSC_2721

DSC_2722

 

DSC_2732

DSC_2734

DSC_2740

DSC_2744

DSC_2749

DSC_2754

DSC_2771

DSC_2785

DSC_2792

DSC_2794

DSC_2797

DSC_2812

DSC_2814

DSC_2818

DSC_2829

DSC_2831

DSC_2854

DSC_2859

DSC_2860

DSC_2862

DSC_2894

DSC_2896

DSC_2902

DSC_2904

DSC_2909

DSC_2913

DSC_2916

DSC_2932

DSC_2934

DSC_2937

DSC_2943

DSC_2949

DSC_2952

DSC_2968

henrique brandão

 

 

qual bela adormecida


ser solidário na ria

ser solidário na ria

não me perguntem

que força tem a água

digo-vos apenas

que mar e ria

são os elos mais fortes

que os unem

 

solidariedade feita de água

salgada

de vidas amargas

de horas muitas sobre outra

espécie de terra

 

são sempre um

quando muitos necessários são

 

(há quem pareça ter acordado

de um longo sono

e qual bela adormecida

despertado seja pelo beijo das eleições

pense que eles não pensam

não sabem, não vêem

 

 

há quem prometa fazer o que não fez

quando era tempo de o ter feito

 

há quem ainda ainda engane alguns

durante algum tempo

mas são cada vez menos

 

porque todos

são sempre um

quando muitos necessários são)

recriação da xávega na torreira, nota breve


zé pato

zé pato

conforme divulguei, neste blog, decorreu hoje, dia 22 de setembro,  uma recriação de ” Arte Xávega com bois”, na praia da torreira.

sobre o evento falarei a seu tempo quando tiver seleccionado e editado as fotografias de que mais goste. dêmos tempo ao tempo.

no entanto, ainda hoje ao fim da tarde, já se levantava o boato de que os participantes na recriação teriam recebido 50 euros cada um.

pessoalmente acho que se é verdade não é drama nenhum –  não há almoços grátis, escreveu alguém – acho até muito bem.

mas se é verdade, o que eu gostava de saber é quem pagou.

na altura em que foi levada a cabo, durante a campanha eleitoral autárquica, é evidente que mesmo sendo promovido pelo actual executivo, deve ser pago pelos dinheiros de que dispõe para a campanha o partido que exerce o poder na câmara da murtosa – o psd.

noutra altura, como em todo o lado, durante a época balnear, deveria ser a autarquia.

espero que, caso tenha havido pagamento aos participantes, tenha havido a sensatez de pagar com os fundos destinados à campanha do partido e não com os fundos da autarquia.

espero …..

mas seria bom que todos soubéssemos se houve pagamento e quem pagou

espero que para o ano haja mais e lá nos encontremos

tempos cinzentos


mãe e filho: ana e alfredo amaral

mãe e filho: ana e alfredo amaral

 

tempos cinzentos estes
em que se espera que o pão
o de cada dia
chegue à mesa depois de um dia
de trabalho duro
ou sem trabalho
ou de mar ingrato

isto te ensinei meu filho
o caminho de areia
o caminho por onde o teu sorriso
o teu esforço para além do teu corpo
que do meu

tempos cinzentos estes
em que cada vez menos somos
quando mais nos disseram
que seríamos
saberão que somos
mais que números?

tempos cinzentos estes
por mais que nos prometam pomares
e sumo basto de laranja
ao pequeno almoço

 

(companha do marco; torreira; 2010)

recriação da xávega na torreira


cartaz do município da murtosa

cartaz do município da murtosa

 

“PRAIA DA TORREIRA VAI RECRIAR A XÁVEGA COM BOIS MARINHÕES

No próximo dia 22 de Setembro, por volta das 10.00h a Praia da Torreira vai acolher uma recriação da xávega com bois marinhões…”

 

assim se pode ler na página do município da murtosa, em notícia publicada no passado dia 11 de setembro, confirmando o informado na folha jornalística do concelho, do passado dia 31 de agosto.

muitos têm sido os pescadores e amantes da arte que me têm perguntado como é que se pode marcar um evento deste género, com tanta antecedência, ainda por cima nesta altura do ano. nem eu, nem nenhum dos questionadores teve resposta. apenas uma: não sabemos.

desde há alguns meses que se falava nesta intenção e sempre se pensou que fosse feita durante a época balnear, como em espinho, por exemplo, e no mês em que o mar é mais favorável – junho.

este ano até tivemos um agosto de mar excepcional. mas nada aconteceu.

por isso, a maioria pensou que não passava de boato e esqueceu o assunto, até que a notícia adquiriu a forma de cartaz, informação local e no espaço virtual do município.

fico feliz pela recriação que vai ser realizada, mas estou a fazer muita força para que o mar tenha sido ouvido e seja possível ao barco – todos pensamos que seja o olá s. paio – fazer-se ao mar, a recriação decorra em boas condições e que os assistentes locais, e os que cá venham de propósito, não dêem o tempo por perdido. já agora, não se sabe ainda o local exacto para a recriação, mas é na praia.

estará o mar “bom”?  eu, e muitos arrais da costa, consultamos o site

http://www.windguru.cz/pt/index.php?sc=48947

e lemos duas informações: “período da vaga” e “ondulação”. como referência, a maioria dos arrais não se faz ao mar com períodos de vaga superiores a 7, vendo em seguida a “ondulação”. a informação é bastante fiável, mas não substitui o ir ao mar pelo romper do dia e confirmar. é assim.

espero, repito, que tudo corra de acordo com o desejado pela entidade promotora.

 

eu lá estarei, de máquina ao peito, a correr pela praia.

 

fica aqui o convite aos interessados.

 

regata dos moliceiros, torreira, s. paio, 2013


na regata deste ano participaram cerca de 15 barcos, entre grandes e pequenos.

os primeiros classificados.

1 º  – Moliceiro S. Salvador – timoneiro, Marco Silva

2 º – Zé Rito – timoneiro, Mestre Zé Rito

3 º – A. Rendeiro – timoneiro, Ti Zé Rebeço

registe-se a presença do barco “Amador”, um barco recuperado e propriedade do construtor Mestre Felisberto

ganhar uma regata de moliceiros depende não só da mestria na condução do barco durante a regata, mas também da escolha da vela com que se corre. os moliceiros têm velas de dois tamanhos, escolher a maior é um risco se se levanta vento forte durante a regata, por isso muitas vezes é utilizada a pequena, por segurança. a utilização da vela maior é um risco assumido em caso de vento forte, mas um passo grande para a vitória caso o vento amaine; penso que a aposta do Arrais Marco Silva na escolha da vela maior, assumindo todos os riscos inerentes foi compensada pela vitória na regata.

como diz o povo ” quem não arrisca, não petisca”

grande prova fizeram também os 2º e 3º classificados, mas as fotos mostram alguns dos momentos mais disputados.

também nesta regata um barco se virou, o manuel silva, e nesses breves momentos a máquina estava virada para o sítio certo.

de  tudo fica aqui um pouco

o vencedor

o s. salvador com o arrais marco silva

o s. salvador com o arrais marco silva, domingos da grila e sérgio silva

o estreante

moliceiro amador

moliceiro amador

algumas personagens

josé formigo, zé rebeço e joaquim ligeiro

josé formigo, zé rebeço e joaquim ligeiro

zé papa lamas e abílio carteirista, que não participaram como forma de protesto

zé papa lamas e abílio carteirista, que não participaram como forma de protesto

zé pedro, o mais jovem e uma carta ao futuro

zé pedro, o mais jovem e uma carta ao futuro

ti zé rebeço, o decano da ria

ti zé rebeço, o decano da ria

momentos da regata

6_DSC_1058

7_DSC_1071

8_DSC_1073

9_DSC_1143

91_DSC_1206

92_DSC_1223

93_DSC_1303

94_DSC_1311

95_DSC_1322

96_DSC_1175

99_DSC_1407

991_DSC_1455

992_DSC_1463

97_DSC_1215

alfredo miranda no seu melhor

98_DSC_1357

o moliceiro virou

a bordo: manel valas, joão rodrigues e russo

DSC_1275

o russo na falca e joão rodrigues na ré

DSC_1279

DSC_1280

DSC_1281

DSC_1283

na água manuel valas e joão rodrigues

DSC_1293

joão rodrigues de guarda ao moliceiro