os moliceiros têm vela (131)


a de alfinete

o cambar ou a roda dos moliceiros

o cambar ou a roda dos moliceiros

hoje quero dizer-te
um segredo

não existo

poucos o sabem
mas eu não existo

sou uma assombração
no dizer dos antigos

vim para incomodar
não para existir

por isso o meu nome
começa por a
como alfinete

vê lá não te piques

quem sabe, domingo dia 2 de agosto, vamos ver outra roda assim?

quem sabe, domingo dia 2 de agosto, vamos ver outra roda assim?

(murtosa; regata do bico: 2007)

no país das maravilhas (cont)


o porto de abrigo visto de norte, ou esperemos que óguente o inverno sem assorear

o porto de abrigo visto de norte. vamos ver se óguenta o inverno sem assorear

no passado dia 29 de junho, publiquei no meu blog uma análise muito simples, sobre o meu entendimento do que se passa com o novo porto de abrigo da torreira, procurando demonstrar que o que “nasce torto, tarde ou nunca se endireita”

pode ler-se na íntegra em

https://ahcravo.wordpress.com/2015/06/29/no-pais-das-maravilhas/

ora bem, haverá talvez mais de uma semana que os trabalhos estão parados, como se pode ver na fotografia, e os habituais frequentadores do passeio da ria perguntavam, para quando a inauguração? entre os pescadores ninguém sabia.

assisti ao carregar do rebocador para cima do batelão e hoje, dia 30 de julho, pareceu-me que já lá não estava.

entretanto, um pescador disse-me que tinha recebido uma mensagem da associação, a dizer que a partir de 1 de setembro não podiam deixar os barcos varados entre o “guedes” e porto de abrigo.

outro, disse-me que tinha recebido mensagem a dizer que as obras se prolongavam até 30 de setembro. baralhado resolvi pedir para ler a mensagem e lá consegui. era a segunda versão a verdadeira, a mensagem diz isto:

“ Cap. Aveiro – Edital nº148 informa que obras na zona envolvente, varadouro e porto de abrigo da Torreira vão decorrer até 30/09.

Aconselhamos a leitura do edital”

entretanto, começaram a correr as habituais informações, de fontes que nem me interessa saber: que iam dragar mais a norte; que as obras iam até ao cais do “guedes” ……

o costume, quando não há informação, há desinformação.

melhor fora ler o edital, e foi o que fiz, e pode ser consultado no link:

http://www.amn.pt/dgam/capitanias/aveiro/lists/documentos_amn/edital%20148.pdf

e está transposto como imagem abaixo.

edital 148

o que nele se lê é muito claro: “prorrogação dos trabalhos em curso”, e isto quer dizer uma só coisa: os trabalhos contratados não puderam ser concluídos a tempo e como tal a empresa a quem a obra foi entregue pediu um adiamento para entrega da obra, até 30 de setembro.

em resumo, não se vai fazer mais nada, nem vou perder tempo a discutir se se podia fazer.

aos pescadores da torreira que andaram, certamente de boa fé, a dizer que ia haver mais dragagem, ou obras, quero dizer-lhes, que nada disso está no edital. é muito claro.

se o município, ou o polis, vai fazer alguma coisa, não se vê em lado nenhum isso escrito.

fico à espera que digam o contrário do que aqui escrevo e que, com documentos, me provem que vão fazer algo mais do que acabar o que está em curso.

interessante, isso sim, seria saber o porquê do atraso. eu como tenho mau feitio, e sou conhecido por isso, até sou capaz de pensar que é para ser inaugurada com pouca gente na torreira, o que é estranho, dada a importância da obra.

ou será que  têm medo de que haja protestos em vez de celebrações?

continuamos no país das maravilhas e no seu melhor.

os moliceiros têm vela (130)


o mais é vento

o

o “marco silva” a terminar a regata em primeiro lugar

“há 45 anos que não fazia um barco”

(mestre firmino tavares)

ao fazer-se o barco
refez-se o homem

construiu-se um tempo outro
de outros saberes e fazeres
cresceu nos olhos uma luz diversa
o brilho adormecido há 45 anos
vi neles barcos serem de novo filhos
paridos com o amor e a arte de mãos hábeis

fazem-se os homens como os caminhos

o barco navega agora
pulsam dentro dele dois corações
oiço-os bater sempre que a vela se enfuna

a ria sorri um sorriso largo de espuma
e eu fico na margem a reaprender o sonho

o mais é vento que passa

a terceira vitória consecutiva, com três barcos diferentes. bravo! arrais marco silva!

a terceira vitória consecutiva, com três barcos diferentes. bravo! arrais marco silva!

(ria de aveiro; regata da ria; 2015)

NOTA: na galeria municipal, na torreira, está patente, até dia 2 de agosto, a exposição “a ria no coração”, patrocinada pela câmara municipal da murtosa, e que documenta fotograficamente a construção do moliceiro “marco silva”. as fotografias são da autoria de abel cunha, antónio lousada e rui cruz.