os moliceiros têm vela (124)


boa noite

gosto da ria assim, mas a cada ano que passa, parece mais impossível

gosto da ria assim, mas a cada ano que passa, parece mais impossível

no meu peito já voaram
pássaros nuno
não me lembro quando

agora nenhum nidifica
sequer num ramo pousa

sorrio aos dias
aqueço-me numa réstia de sol
sempre que posso
nem sempre quando quero

escrevo-me devagar
nunca sei se

no meu peito já voaram
pássaros nuno
não me lembro quando

boa noite

a beleza da ria e a pobreza dos mandantes

a beleza da ria é a paixão dos moliceiros

(torreira; regata do s. paio; 2012)

lembro aqui o título do primeiro e, para mim melhor, livro de nuno camarneiro: ” No meu peito voam pássaros”. façam o favor de o ler

no país das maravilhas


a estória é aqui e estava maré vazia

a estória é aqui e estava maré vazia

era uma vez um concelho, com uma comunidade piscatória distribuída por vária freguesias.

com o apoio de fundos comunitários, fizeram-se obras de remodelação e modernização dos vários portos de abrigo.

não se sabe porque carga de água, o porto com maior número de pescadores foi o último a ser remodelado/renovado. talvez até tivesse sido bom, porque as asneiras cometidas nas remodelações anteriores poderiam servir de emenda. poderiam, digo eu. é deste a estória que vos queria contar.

de há alguns dias para cá, comecei a ouvir conversas de pescadores em que só ouvia dizer mal da obra – pobres e mal agradecidos, dirá quem aqui chegar pela primeira vez -, que não dava para o número de barcos existentes, que não tinha espaço para os barcos manobrarem, que as atracações não eram de dimensão suficiente, que não passaria um ano sem que voltasse a ficar tudo assoreado, …… enfim, só miséria, para tantos milhões gastos.

tanto ouvi que comecei a fazer perguntas, mas só de uma me interessava saber a resposta:

pergunta: alguém pediu a vossa opinião quando foi feito o projecto?

resposta: não

para quem, como eu, geriu fundos comunitários, sabe que o projecto é a fase mais importante de qualquer investimento que queira deles beneficiar, como foi o caso. projecto mal feito é uma coisa inadmissível pelos gestores dos fundos, até porque é financiado por eles.

do projecto nasce um caderno de encargos, que se põe a concurso, é adjudicado e contratado. tudo o que fuja ao caderno de encargos perde o financiamento. um projecto mal feito ou é suspenso a tempo, ou depois de contratada a obra, só resta cumpri-lo.

regra de ouro: qualquer alteração ao caderno de encargos tem de ser assumida pelo “dono de obra”.

se quer mudar o que pôs a concurso, paga e pronto. os fundos não financiam asneiras, daí a importância do projecto feito à medida da sua localização e das necessidades dos utilizadores finais.

percebem agora o porquê da minha pergunta e como fiquei admirado com a resposta.

só tenho uma dúvida, trata-se de ignorância ou incompetência, ou das duas?

seja qual for a resposta, a verdade é que talvez se tenham “estragado” uns, poucos, milhões de euros.

gostava que esta estória tivesse um final feliz. gostava sinceramente e espero que tenha, mas é um final que, para já, me parece que pode sair caro. gostava de estar enganado.

a sério que gostava que isto fosse só uma estória, que não tivesse nada a ver com a realidade, ou que eu me tivesse enganado redondamente.

até lá, vou fazendo umas fotos

ao vivo e a cores talvez seja melhor

ao vivo e a cores talvez seja melhor

(algures no país das maravilhas)

os moliceiros têm vela (123)


o meu amigo ti zé rebeço e uma nota à parte

ahcravo_DSC_9756_a rendeiro bw

bravo!

antes do início da regata da ria, o ti zé rebeço, fez uma pequena demonstração com o seu moliceiro.

aos 75 anos, a fazer 76, quem estava na marina de recreio, pôde admirar a energia e a arte do mais antigo moliceiro da ria.

na tripulação o mais jovem velejador de moliceiros, o zé pedro.

é extraordinário assistir ainda a provas desta natureza dadas por um homem que nasceu na ria e faz dela a sua bandeira.

parabéns ti zé, saibam vê-lo e entender a mensagem que transmite aos mais novos e aos que gostam de moliceiros: resistir até morrer.

(nota: entrei na página do município da murtosa e, no canto inferior do lado direito, está anunciado um edital intitulado “Elaboração de um Projecto de Regulamento de Utilização do Porto de Abrigo para Pescadores na Torreira” – http://www.cm-murtosa.pt/Templates/GenericDetails.aspx?id_object=7861&divName=900&id_class=900.

nestes casos é de norma e regra, publicitar a proposta da autarquia, ou da entidade responsável, e pedir aos munícipes, ou a todos aqueles cujo regulamento abrange, sugestões de alteração à proposta.

não é isso que acontece no edital. não é apresentada qualquer proposta e são pedidas sugestões, no prazo de 10 dias úteis. como o edital é de 18 de junho, as sugestões devem ser enviadas na semana que vem.

então a autarquias pede sugestões e não sugere nada? não existe, ao menos, um esboço de regulamento sobre o qual os munícipes se possam pronunciar?

nunca vi, nem sei se voltarei a ver noutros locais esta forma estranha de fazer a consulta aos munícipes. serão modernices, desconhecimento, ou traz água no bico?

não sou pescador, mas se o fosse, soubesse consultar a internet e tivesse alguma experiência sobre como funcionam este tipo de editais, fazia uma única sugestão:

QUERO SABER QUAL É A PROPOSTA DA CÂMARA MUNICIPAL.)

longe de tudo isto, o meu amigo ti zé rebeço, veleja na ria e no coração de todos os murtoseiros.

ele é a murtosa

ahcravo_DSC_9756_a rendeiro

(torreira; regata da ria; 2015)

os moliceiros têm vela (122)


o vencedor da regata da ria, 2105, foi o “Marco Silva”, na foto já depois de passar a bóia da meta

quem tem unhas toca guitarra, ditado popular

quem tem unhas toca guitarra, ditado popular

classificação final, ainda não publicada mas que registei

– Classe A
(moliceiros com as dimensões tradicionais)

1º Marco Silva
2º Zé Rito
3º A. Rendeiro
4º Dos Netos
5º Câmara Municipal Murtosa
6º O Amador
7º São Salvador

o moliceiro Pardilhoense, inicialmente inscrito, acabou por não participar

Classe B
(moliceiros de menores dimensões)

1º Pequenito
2º Eco Moliceiro
3º Sermar

a luta pelos dois primeiros ligares foi renhida. para dar uma ideia, o primeiro classificado fez o percurso da regata em 1h29m e o segundo em 1h30m.

foi uma regata com cada vez menos moliceiros, mas das mais disputadas.

estão de parabéns todos os moliceiros que vão resistindo, mas com destaque para o “Marco Silva”, do arrais marco silva, 1º lugar na primeira regata em que participa, e o “S. Salvador” que, depois de adquirido e recuperado por miguel matias, regressou às regatas.

ahcravo_DSC_0206_marco

(ria de aveiro; regata da ria; 2015)

moliceiros, uma paixão


moliceiros, uma paixão

o grande ti zé rebeço

o grande ti zé rebeço

(o coração tem razões
que a razão desconhece)

quero-te dizer que tens razão
é a paixão que move estes homens
que os faz serem maiores que eles
terem o tamanho do mundo
que sonharam e constroem a cada dia

quero-te dizer que tens razão
mas também que não há razão que explique
a razão de pensares como pensas
de estares onde estás
por isso és a irracionalidade personificada

quero-te dizer que tens razão
mas quero-te dizer que isso não basta
nunca a razão mudou o mundo
só o sonho e a paixão o fizeram
por isso de ti não espero a mudança

quero-te dizer
que o futuro começou ontem
e não me parece que o saibas

sou dos que sonham
e isso pode ser perigoso
aqui

todos os moliceiros são o moliceiro e o ti zé ajuda quem precisa

todos os moliceiros são o moliceiro e o ti zé ajuda quem precisa

(amanhã é dia de regata e, incansável, o ti zé rebeço ajuda a erguer o mastro do s. salvador. todos os moliceiros são o moliceiro

torreira; estaleiro do mestre zé rito; 26 junho, 2015)

os moliceiros têm vela (121)


regata da ria, 2015

ahcravo_DSC_1349 bw
no próximo sábado, pelas 14h30m, terá lugar a regata da ria 2015.

segundo informações colhidas junto da “associação náutica da torreira”, que assume a organização da regata, estão inscritos os seguintes barcos:

– Classe A
(moliceiros com as dimensões tradicionais)

Zé Rito
A. Rendeiro
Câmara Municipal Murtosa
O Amador
Dos Netos
Marco Silva
Pardilhoense
São Salvador

Classe B
(moliceiros de menores dimensões)

Pequenito
Eco Moliceiro
Sermar

ou seja, estão inscritos 11 moliceiros.

não concorrem este ano, por motivos diversos os seguintes barcos:

– Classe A
(moliceiros com as dimensões tradicionais)

Manuel Silva
Manuel Vieira
Marnoto
Inobador

Classe B
(moliceiros de menores dimensões)

Sara e Cristina

nesta publicação queria prestar homenagem à mais jovem tripulação de moliceiros – zé pedro, joão magina e índio – que este ano não deverá concorrer por já não ter barco.

ainda vão 11 barcos na regata, ainda ….

fica aqui o apelo:

A VOSSA PRESENÇA NA ASSISTÊNCIA À REGATA É IMPORTANTE PARA QUE FAÇAM SENTIR A IMPORTÂNCIA QUE TEM PARA A DIVULGAÇÃO DA RIA DE AVEIRO

até sábado

ahcravo_DSC_1349

(ria de aveiro; regata da ria ; 2014)