crónicas da xávega (362)


o que nunca lerás

torreira; 2013
 
o tempo que passou
há quanto tempo
no tempo parou
 
o beijo
primícia carícia
guarda ainda o teu sabor
 
o teu nome cravado
nos lábios sangra
 
iniciaste um tempo
que contigo acabou
 
há quanto tempo
o tempo parou 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s