eu reformado


ser ainda

ser ainda

 

eu reformado me confesso

por ainda estar vivo

quando deveria ter morrido

no exacto instante em que deixei de trabalhar

 

eu reformado me confesso

por receber mensalmente uma pensão

(já ratada à má fila)

para a qual descontei todos os meses dos muitos anos que trabalhei

entregando parte do meu ganho

aos que em mim confiaram e eu neles confiei

 

eu reformado me confesso

por ter sempre vivido do salário ganho em cada dia

gastando o que tinha e não mais do que podia

se economias tenho e delas me sirvo

pelas poupanças peço perdão

pois se não fossem elas difícil seria continuar vivo

 

eu reformado me confesso

por todos os dias sentir que já não estou tão saudável

e que a doença não me faz mal a mim

mas à sustentabilidade do sistema de saúde

que alguns só concebem para pessoas sãs que não causam despesa

o que me põe ainda mais doente

 

eu reformado me confesso

por ter tido filhos

os ter criado, educado, formado, preparado

para produzirem riqueza neste que é o seu país

e continuar hoje a ajudá-los na criação dos meus netos

que empregos não há para o esforço que fiz

 

eu reformado me confesso

p r o f u n d a m e n t e r e v o l t a d o

por me roubarem sem nunca ter roubado

desse crime me confesso e peço perdão

nunca roubei, isso não