falo das aves


regata moliceiros

regata moliceiros

 

falarei ainda das aves

quando te disser

que mais belas não vi

 

estranhos barcos estes

de tão belos

que meninas mulheres são

desta laguna

onde o mar se aconchega

para ser criança

 

as palavras não cabem

no esplendor das velas

só o silêncio nelas se acolhe

para ser mais nosso

deslumbrante de tanto

 

falo ainda das aves

 

(amanhã

em bando voarão mais uma vez

até quando?)

estranha forma de pensar cultura


regata torreira-aveiro, 2011

 

 

o vento

o norte pai dos dias quentes

da costa ocidental

nesse dia

não se fez sentir

 

lentos os barcos

sulcaram a ria

sem pressas de tempo

como se dele não soubessem

 

horas muitas

quase noite

quando a aveiro chegaram

mal sabiam então

que no ano seguinte

seria noite

logo pela manhã

e a regata

a regata

seria negra

 

que este é um país

onde se enterram os vivos

por ser mais fácil

cuidar dos mortos

 

chamam-lhe alguns

cultura