falecido ti alfedo neto


ti alfredo neto

adormeço
no embalo do tinto
aquecido ao rubro do mar

feito desta massa de mar e areia
onde as ondas quebram o sonho
de partir
para voltar
e não precisar de ir

por mais que olhe o horizonte
nada mais vejo que o meu rosto

preso nas redes
agarrado aos remos
a largar a corda

o meu presente
será o meu futuro
o passado neles reflectido