vem aprender a ria


raul bastos

 

um urso de peluche

na bica da proa da bateira

a coluna sofrida de tanto

um sorriso e um abraço

enormes

 

pescará ainda

enquanto o corpo

que outra arte não sabe

reparte o amor entre os seus

e a ria

 

por vezes queixa-se

mas de dores

reclama da balança

do intermediário

do roubo descarado do pão

transformado em carros de luxo

 

a democracia

ainda não chegou

à ria

aqui a dita dura

é ela que decide o quê

quando e por quanto

 

são estes os homens livres

aos olhos de quem chega

admira a beleza da paisagem

regista-a e divulga

mas é de lama

que se trata aqui

 

anda

vem aprender a ria