viveres amargos


 

 

 

 

caetano da mata e zé caldinho (torreira, 2008)

caetano da mata e zé caldinho (torreira, 2008)

 

 
esperam os homens
a rede
no fim o saco
quem sabe
o peixe

rente à areia
corre a cala
avista-se o calão
o peixe
não

tudo tem seu tempo
aqui
onde o tempo corre
pelos sulcos rasgados no rosto
salgados viveres
amargos

 

(à memória do arrais zé murta, torreira, 2008)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s