crónicas da xávega (196)


tudo é nada

0 ahcravo_DSC_9412

quando tudo acaba
o que começa?

quando o ter sido
não voltará a ser
o que resta?

quando o barco
vencer o mar
nem sempre os homens
se vencem

no fim do fim
não serei nada

encontrei
uma concha na areia
no recuar da onda
peguei nela
senti-lhe a leveza
na palma da mão

tudo era eu
tudo é nada

0 ahcravo_DSC_9412 bw

(torreira; 2016)