postais da ria (210)


da ignorância e da sabedoria

0 ahcravo_ DSC_0457 bw

o carlos arato safa as redes da solheira

há os que não sabem
e não sabem que não sabem

e os que não sabem
porque não querem saber

respeito tanto os primeiros
como desprezo os segundos

indiferente a estas palavras
o homem cumpre a sua tarefa diária
de subsistir onde cada dia
é mais difícil

olho tudo como se estivesse
sabendo que nunca mais
estarei como estive

essa é a minha sabedoria

0 ahcravo_DSC_0457

o carlos arato safa as redes da solheira

(torreira; 2016)

crónicas da xávega (199)


haver mar

0 ahcravo_DSC_9617 bw

arribar

sê em cada dia
amigo do amigo

deixa que seja o tempo
esse outro amigo mais íntimo
a dizer-te quando acabou
o que parecia ter sido

não cuides do que poderia ser
lembra o que foi

procura outros rumos
noutras praias
há outra gente
com o mesmo destino

ser homem
e
haver mar

0 ahcravo_DSC_9617

é tudo muito rápido e perigoso

(arribar; torreira; 2013)

os moliceiros têm vela (259)


a memória das imagens

0 ahcravo_DSC_2157 bw

o “A. Rendeiro” do ti zé rebeço a caminho da meta

são o que são
e não querem mais
amam o que amam
e fazem porque

une-nos o abraço o gesto
o sermos simples
como a palavra
que aprendemos sagrada

fiquem para outros os palcos

homens simples
outra arte não têm
senão a de saberem
que entre eles e o barco
só a morte ou falta de dinheiro
se pode interpor

vou com eles em busca
de um futuro possível
mensageiros que são
de uma tradição secular
e ter eu uma máquina
que dispara uma bala para muitos
desconhecida ou ignorada

a memória das imagens

0 ahcravo_DSC_2157

quando três são um

(torreira; regata da ria; 2010)

 

postais da ria (209)


o real no virtual

0 ahcravo_DSC_3334

amanhã
quando falarem de mim
ou me esquecerem
como é normal

que fiquem estas imagens
de um tempo
de uma gente
de um modo de vida

a minha memória
será então
não um nome
mas o que ficou
espalhado
nas redes sociais

num mundo virtual
onde o real resiste
sem fronteiras

(torreira; 2016)

os moliceiros têm vela (258)


urgente

0 ahcravo_DSC_6740 bw

ao longe
muito ao longe
a memória

algures um barco
dentro dele um homem
o homem-barco

urgente unir os que
são a memória perto
desse tempo longe
não muito ainda

dar-lhes as mãos
de que carecem
para que um dia
não se escreva
não se possa dizer

ao longe
muito ao longe

havia um barco
dentro dele um homem
um homem-barco

eu

0 ahcravo_DSC_6740

(regata do s. paio; 2016)