somos a afirmação


 

 

fabricamos o tempo

o nosso tempo

com a música dos gestos

suspensos

no exacto instante em que

vindos do silêncio onde habitavam

nos cercearam as vozes

 

somos ainda o haver amanhã

um dia de sol aberto a todos

não o impossível sonhado

mas o real a que estamos condenados

pelo facto de sermos

 

estamos

ali onde palavra e gesto se confundem

não temos medos nem donos

mais muitos mais

crescemos a cada dia

 

somos a afirmação da recusa