postais da ria (21)


 

 

regata do bico em 2010. num dia sem vento os cisnes não voam

regata do bico em 2010. num dia sem vento os cisnes não voam

procura o instante
o tempo dentro do tempo
o momento em que

sem vento
tudo parece parado
à espera
nada mais ilusório

é parado que o tempo
anda mais depressa

vive agora o ser agora
o que foi
o que será
são isso mesmo

bebe o mais ínfimo
fragmento da luz
fabrica o teu instante

já passou

 

 

(domingo, dia 3 de agosto, há regata no bico, ainda ….. aparece)

postais da ria (20)


 

 

cais do bico, agosto, 2012. antes da regata

cais do bico, agosto, 2012. antes da regata

 

estou onde os meus olhos
reencontro de mim
com o tempo mais íntimo

sou ainda o que vejo
não o que se vê
espelhado nas janelas dos dias

o que fui
o que de mim quisera
que não se perdesse
esse jovem louco e cheio de vida
o que se perdeu e se encontrou
para se perder de novo
e melhor se encontrar

o que fui
é no que sou
aquilo que te deixo
para ser ainda

guarda-o
como se a mim

 

(ria de aveiro; murtosa; bico; regata 2012)

 

domingo dia 3 de agosto, há de novo regata, ainda …. espero por ti

 

ahcravo_DSC_1270_regata bico 2012_manuel valas bw

crónicas da xávega, torreira (19)


 

 

 

ti horácio

ti horácio

 

tudo em nada se torna
é esse o trabalho do tempo

ao homem cumpre
em algo tornar
o nada que tudo foi

a memória
assassina-se preserva-se
constrói-se

serão rascunhos de imagens e palavras
o que vou semeando
nada mais que rascunhos

toma-os

 
(torreira; companha do marco; julho, 2014)

postais da ria (19)


regata de moliceiros, bico, 2010

regata de moliceiros, bico, 2010

 

regata de moliceiros no bico_ 03/08/2014

 
no próximo dia 3 de agosto, pelas 14h30m, vai decorrer a tradicional regata de moliceiros no bico, murtosa, integrada nas festas da semana do emigrante.

de acordo com o programa elaborado pela câmara municipal e apresentado na página

http://www.cm-murtosa.pt/Templates/GenericDetails.aspx?id_object=7222&divName=876&id_class=876

para quem gosta de fotografar a partir de terra, esta é a regata ideal. o percurso da regata é no sentido nascente/poente e inverso. pelo quem ficar no extremo do cais pode fotografar à vontade.

interessantes de registar são os cambanços dos barcos, que ocorrem em frente ao cais do chegado, que dista escassas centenas de metros do ponto central.

a chegada dos barcos e a sua preparação para a regata também podem proporcionar registos únicos, pelo que estar no local a meio da manhã será de ponderar.

quanto à relevância que a “pátria do moliceiro” dá à regata, a apresentação do cartaz diz tudo.

 

 

(ria de aveiro; murtosa; bico; 2010)

a memória do alfredo no seu aniversário


rolos de corda do reçoeiro

rolos de corda do reçoeiro

 

18 de julho de 2014

 
o alfredo faz anos. a história contada pelo próprio:

” faz hoje 26 anos, a minha mãe estava a trabalhar no mar e deu um bom lanço de lingueirão.

depois nasci eu. ainda me lembro”

é por se lembrar tão bem de tudo,  que todas as manhãs, quando a companha do marco vai ao mar, recebo por volta das 6h uma mensagem do alfredo:

“tamos no mar”

e aí vou eu.

a função do alfredo na companha, é o alar do reçoeiro, onde faz grupo com o fernando e o ti américo.

são muitos metros de corda, não são alfredo?

abraço

 

(torreira; companha do marco; 2014)

crónicas da xávega, torreira (18)


 

o maria de fátima vence o mar

o maria de fátima vence o mar

 

esta foto é para si marco

 
há telefonemas que dizem tudo.
na segunda-feira tinha de ir para coimbra, soube a hora para que o marco dera ordens, atrasei o almoço e fui à praia ver o largar – este.

depois de o barco vencer a pancada de mar, o meu telemóvel toca.

– esta foto é para si, sr. cravo

era o marco.

há amigos assim.

 

(torreira; companha do marco; jul, 2014)