crónicas da xávega (488)


(nada mais que memórias)

espero
como se viesses
olhando o longe
de não estares aqui

para além de mim
para além de tudo
os olhos prendem-se
no vento
procuram-te

tu sabes

esperar não é assim
tão difícil
quando nos sentamos
no vento
e é de mar
o solo que pisamos
torreira; 2005

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s