postais da ria (295)


como na anedota
0 ahcravo_DSC0679

(torreira; porto de abrigo; 2018)

 
sei que existem
pelo ruído
não pela voz
que a não têm
 
não sabem o que são
sendo o que não sabem
papagaios nocturnos
enganados nas horas
 
voam baixo como
as galinhas
na ilusão de águias
pescadoras
 
deixo-os poisar
como na anedota
(torreira; porto de abrigo; 2018)

postais da ria (289)


gente da ria
0 ahcravo_DSC_2268
 
conheço-lhes os gestos
por vezes os nomes
 
são muitos anos
ou
foram muitos anos
 
conheço-lhes os gestos
por vezes os nomes
adivinho famílias
 
artes de pesca
artistas alguns
no engano de
 
nas malhas dos dias
muitos ficaram aqui
não presos guardados
 
(torreira; safar redes; 2016)

postais da ria (286)


dos amantes
0 ahcravo_dsc2549_salvador e maria do carmo

o salvador e a maria do carmo, marido e mulher, camaradas

não sabem de pedras
mas de palavras e gestos
os amigos
perguntam antes de
sabem-te o bastante para
os amigos
não serem como amigos
os amantes
ou serem mais ainda
(torreira; safar redes; 2018)

mãos de mar (55)


quando o mar trabalha

0 ahcravo_DSC_9006

depois de seco o saco é de novo fechado para o aparelho da xávega poder fazer novo lanço. ao acto de fechar o saco chama-se “dar o porfio”, é o que está a fazer o meu amigo agostinho canhoto

é de rede
deitada ao mar do tempo
este livro

em terra
ficará a contar estórias
a falar de muitas vidas
e saberes

fora dele muito mais
que para tudo
saco não havia
e peixe houve que saltou

deu-se o porfio
fechou-se o saco

é na praia que encontras
os búzios que procuraste
em casa

(torreira; 2011)