postais da ria (399)


águas vivas

outras as artes outras redes
malhas mais finas
prenderam o sonho
o sol uma vida

o testemunho do tempo
o olhar a guardar a memória
onde agora

safam-se os dias
onde algas secas ainda

a paciência é a arte
da sobrevivência

a reinvenção dos dias
é um tempo cheio de tempo
uma navegação em águas
vivas porque revividas

(torreira; safar redes; 2019)

postais da ria (306)

postais da ria (306)


cravo qualquer coisa
 

0 ahcravo_DSC7569

torreira; 17/06/2019

 
guardo as palavras
para depois
de hoje ficam apenas
 
a primeira imagem
e a primeira mensagem
de boas vindas
 
eu conheço-o chama-se
cravo qualquer coisa
já me fotografou na ria
 
é talvez esta a melhor
saudação
vinda de um miúdo
 
terei sido isso
quando ele homem
de mim se lembrar
se
 
cravo qualquer coisa
é tanto
 
 

à conversa com mestre antónio esteves (pardaleiro)


0 arhcravo_DSC2226_bwv

o mestre a trabalhar com serra tradiconal

em julho de 2018, no estaleiro junto à ribeira das bulhas , em pardilhó, conversei com o mestre antónio esteves (pardaleiro), primo do mestre murtoseiro, falecido em janeiro de 2019, joaquim raimundo.
aos 78 anos continua a construir e reparar os barcos que lhe encomendam. as perguntas foram à medida do meu saber e poderão ter ficado aquém do que o mestre merecia. mas, como diz o povo, quem dá o que tem ….
foi aprendiz do mestre henrique lavoura de quem “herdou” o pau de pontos, que já vinha do mestre joaquim rato – da bestida para pardilhó a caminhada da tradição.
0 arhcravo_DSC2226_sep
à data da conversa nenhum de nós imaginava que mais um moliceiro lhe iria sair das mãos, mas há sempre – até quando ? – surpresas na ria. no momento em que esta conversa é publicada está em fase de conclusão mais um moliceiro.
lá estarei no bota-abaixo
o mestre antónio esteves (pardaleiro) é o mais antigo mestre construtor naval em actividade e foi, será sempre, um prazer ouvi-lo
da conversa fica o vídeo possível

postais da ria (260)


torreira

torreira é nome
de mulher
feito terra

escuto a sua voz
a camaradagem
o ser completa

torreira é o mar
os barcos
as companhas

é o rio as gentes
os saberes
o pouco de tanto

o mais por belo
que seja
vazio de corpos
é paisagem

0 ahcravo_DSC0699

(torreira; safar redes; 2018)

postais da ria (239)


aos homens e mulheres da ria

0 ahcravoDSC_7288 s bw.jpg

cirandar e escolher

existem homens
que fazem barcos
como se filhos

existem homens
que os encomendam
fazem neles vida

existem mulheres
camaradas dos homens
na faina dos barcos

homens e mulheres
sempre
mulheres e homens

os barcos só
não existiriam

0 ahcravo_DSC_7288 s

(torreira; cirandar; 2016)

postais da ria (206)


para o meu amigo fernando nuno

0 ahcravo_ DSC_5553 zé de gaia bw

por que mares andaste fernando?
quantos navios?
quantas safras?
quantos comandantes?
quantos países?

quantas vezes mestre?
quanto aprendeste?
a quantos ensinaste?

pescador da torreira
é pescador de todos os mares
que da ria só embalo
não ganho que baste

no safar das redes
não safas a vida
alguém safará?

as histórias muitas
de teres sido e como tu tantos
enchem as horas da espera
de haver uma vaga
de chegar a idade da reforma
de partir ou ficar

na ria não se faz vida
pois não zé?

0 ahcravo_DSC_5553 zé de gaia c

(torreira; 2009)