falo dos olhos


manso o olhar, brutal a força

que olhar …
e ninguém o vê
sedutor na areia de verão

boi a vapor
empurrou o barco
puxou-o
começou a alar lentamente as redes
e, no final,
em correrias loucas
trouxe-as à praia
por entre gritos e aguilhadas

que olhar …
e tu não o viste
porque os teus olhos se perderam noutros