mais um dia de mar


o saco

lentos
corpos cansados caminham
em estranha procissão
que a areia acaricia

até ao estender do saco
a faina não termina
longo foi o dia
rude o mar

que homens são estes
coração de ave marinha
mãos de dar
mais que receber?

imensos
deixam na areia
a ternura
de mais um dia de mar

(torreira; companha do murta)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s