os moliceiros têm vela (100)


sou hoje

SONY DSC

fecho os olhos e sinto tudo
como se visse
estou vivo para viver hoje

não para me arrepender
amanhã de não ter feito

levo a carta ao seu destino
nada mais que correio
que não perde a mensagem
leiam-na ou não é sua

chove e é este o tempo

SONY DSC

(ria de aveiro; regata da ria; 2010)

os moliceiros têm vela (99)


palavras de mim

ahcravo_DSC_4223 bw

não me custa ser como sou
no entender do direito do outro
a ser diferente de mim e aceitá-lo
como coisa natural de sermos muitos
diversos e comunicantes por natureza

não me custa ser como sou
não sei de outro modo de ser
nem me imagino a sê-lo
sou eu sessenta e três anos depois
não sei quantos antes
o incomodado que incomoda

o caminho aproxima-se do fim
por força das leis que me trouxeram aqui
nada peço nada me peçam senão
o continuar a ser esta coisa de carne e osso
com muitas ganas de fazer de olhos abertos
e uma noção de justiça difícil de calar

vou por meus pés até onde puder
contra a maré se necessário
mas quem diz que maré cheia não é
vazia de sentido?

ahcravo_DSC_4223

(torreira; regata do s. paio; 2012)

os moliceiros têm vela (98)


conheço alguns

ahcravo_DSC_6813 regata moliceiros bico bw

são os da janela que dizem
talvez
analisam criticam meditam
propõem

procuro-lhes os feitos
encontro sem demora logo
os por fazer habituais

estão sempre prontos para
desde que
por isso na janela cotovelos
vejo-os

habitam as mansardas das
casas grandes
ou rés-do-chão dos senhores
das terras

têm do mundo uma visão
superior
mas  é para cima que olham
se chamados

quais gatos têm vidas sete
prontas as usar

ahcravo_DSC_6813 regata moliceiros bico

(murtosa; regata do bico; 2009)

abril 41 anos depois


DSC_7754

floriram cravos nas pontas
das espingardas
eram vermelhos como o sangue
que não correu
em abril a 25 no ano de 74

de paz se queriam os dias a vir
livres e solares
escritos com a mesma letra
d de dar

saltaram cravos para as lapelas
nos dias de festa e foram muitos
disfarce também para filhos da mãe
os mesmos que sem eles agora

hoje só com a bandeira na bando do casaco
libertos de disfarce incómodo na festa
foram donos e senhores efémeros

estariam ali fosse ela nacional ou
da república em democracia eleita
guardadas estavam as cadeiras
o tempo era a única oposição conhecida

em verdade te digo que mentem

o cravo é vermelho

o cravo é vermelho

(coimbra; 25 de abril; 2015)

os moliceiros têm vela (97)


body 0113

ahcravo_DSC_1070 bw

um número numa caixa de madeira
depois de ter sido um número numa terra
numa estatística numa máquina de fazer números
um número onde cabem inúmeros só números
sem nome sem família sem data de nascimento
só registo de morte e vala comum a tantos números

um número cada vez maior
nas contas dos bancos offshore
do petróleo das matérias primas
da madeira do petróleo do petróleo
do domínio da geografia onde
for possível ainda sugar dólares euros
de corpos cansados famintos destruídos

corpos sem cotação aparente
no mercado de valores commodities nasdak
nada que possa ser adquirido trocado
valorizado considerado investimento
corpos amarrados sugados espoliados
corpos escravizados pelos senhores da guerra
das fábricas de armamento florescentes
de um ocidente decadente e cínico

body 0113
não descanso em paz

o mar pode ser nostrum
mas com que direito o transformamos
no cemitério vostrum?

a globalização do capital é uma frase gasta
mas é uma realidade dura negra árabe
carregada de balas mísseis torturas genocídios
medo fome doença miséria destroços humanos
fuga roubo estupro fuga roubo morte

body 0113
não descanso em paz
não descanso
não

ahcravo_DSC_1070

(ria de aveiro; regata da ria; 2014)

crónicas da xávega (60)


de nós

tempo de espera, luciano

tempo de espera, luciano

houve os que partiram
e a quem chamaram heróis
nem todos regressaram

outros houve que ficaram
não por não serem heróis
mas por amor à terra

de uns e de outros vimos
que dois povos diferentes são
diversos no estar e no ser

uns serão do aceitar
outros do questionar

o maria de fátima e o luciano caravela

o maria de fátima e o luciano caravela

(torreira; companha do marco; 2013)