“Mulheres e revolução” de maria velho da costa (quase)


ahcravo_DSC_5594_quase_revmul_mvc

os textos aqui lidos ” RECONSTITUIÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO”, “TRANSMISSÃO DE IDEOLOGIA” e “REVOLUÇÃO”, são 3 dos 7 que compõem “Revolução e mulheres”, publicado no livro “CRAVO” de 1976

(gravado no dia da morte de maria velho da costa, sob a pressão da necessidade de homenagear a autora. daí a qualidade não ser a habitual, desculpem. prometo regressar e produzir a totalidade de “Revolução e mulheres”.

diz o povo que “depressa e bem há pouco quem” , é verdade e eu não sou dos poucos de que o ditado fala. mas tinha de ser hoje.)

josé gomes ferreira no dia mundial da língua portuguesa


ahcravo_DSC_5594_quase_poemaX_jgf
no dia mundial da língua portuguesa
um poeta fundamental e tão esquecido
josé gomes ferreira
 
o “poema X” é parte do conjunto “Panfleto contra a paisagem” de 1936-1937, inserto no livro “Poesia I”

“Navegação à vela”, joaquim namorado


ahcravo_DSC_5594_quase_avnavegv_jn
poema do livro “Aviso à navegação” incluído no livro “Incomodidade”
biografia
Joaquim Vitorino Namorado nasceu em 1914 e faleceu em 1986 com 72 anos de idade. Licenciou-se em Ciências Matemáticas pela Universidade de Coimbra, Até ao 25 de Abril de 1974.
Exerceu o professorado no ensino particular, já que o ensino oficial, lhe fora vedado pelo facto de ser militante do Partido Comunista Português desde 1930.
Notabilizou-se como poeta neo-realista, tendo colaborado nas revistas Seara Nova, Sol Nascente, Vértice, etc.
Entre muitas outras actividades relevantes, foi redactor e director da Revista de cultura e arte Vértice, onde ficou célebre o episódio da publicação de pensamentos de Karl Marx, assinados com o pseudónimo Carlos Marques.
Em 1983, na sequência de uma significativa homenagem por iniciativa do jornal Barca Nova, a Câmara Municipal da Figueira, instituiu “Prémio do Conto Joaquim Namorado”, que foi suspenso por Santana Lopes, aquando o seu mandato como Presidente de Câmara
Publicações
Obra poética
1941 – Aviso à Navegação
1945 – Incomodidade
1966 – A Poesia Necessária (1966).

“Viver sempre também cansa!”, josé gomes ferreira


“Viver sempre também cansa” é um poema do livro “Poesia I”
ahcravo_DSC_5594_quase_viver_jgf
biobliografia
Escritor, poeta e ficcionista português, natural do Porto. Formou-se em Direito em 1924, tendo sido cônsul na Noruega entre 1925 e 1929. Após o seu regresso a Portugal, enveredou pela carreira jornalística. Foi colaborador de vários jornais e revistas, tais como a Presença, a Seara Nova e Gazeta Musical e de Todas as Artes. Esteve ligado ao grupo do Novo Cancioneiro, sendo geral o reconhecimento das afinidades entre a sua obra e o neo-realismo. José Gomes Ferreira foi um representante do artista social e politicamente empenhado, nas suas reacções e revoltas face aos problemas e injustiças do mundo. Mas a sua poética acusa influências tão variadas quanto a do empenhamento neo-realista, o visionarismo surrealista ou o saudosismo, numa dialéctica constante entre a irrealidade e a realidade, entre as suas tendências individualistas e a necessidade de partilhar o sofrimento dos outros. Da sua obra poética destacam-se, para além do volume de estreia, Lírios do Monte (1918), Poesia, Poesia II e Poesia III (1948, 1950 e 1961, respectivamente), recebendo este último o Grande Prémio de Poesia da Sociedade Portuguesa de Escritores. A sua obra poética foi reunida em 1977-1978, em Poeta Militante. O seu pendor jornalístico reflecte-se nos volumes de crónicas O Mundo dos Outros (1950) e O Irreal Quotidiano (1971). No campo da ficção escreveu O Mundo Desabitado (1960), Aventuras de João Sem Medo (1963), Imitação dos Dias (1966), Tempo Escandinavo (1969) e O Enigma da Árvore Enamorada (1980). O seu livro de reflexões e memórias A Memória das Palavras (1965) recebeu o Prémio da Casa da Imprensa. É ainda autor de ensaios sobre literatura, tendo organizado, com Carlos de Oliveira, a antologia Contos Tradicionais Portugueses (1958). Em Junho de 2000, foi lançada no porto a colectânea Recomeço Límpido, que inclui versos e prosas de dezenas de autores em homenagem a José Gomes Ferreira

dois poemas de manuel silva-terra


ahcravo_DSC_5594_quase_mst

de manuel silva-terra, dois poemas do livro “Campos magnéticos”

autobiografia

Nasceu no século passado numa aldeia da Beira Baixa, de parto natural feito em casa. A infância é o seu Paraíso. Frequentou o liceu de Castelo Branco, onde ganhou consciência política. Em Coimbra desenvolveu a consciência estética e começou a publicar, em Coimbra, nos Cadernos do 40, a poesia que escrevia às escondidas. A partir de então é um poço de vivências conscientes e inconscientes que procura sempre depurar no sentido de uma maior compreensão, aceitação de si e do mundo, e desenvolvimento de ligação da teoria à prática. Por isso, a poesia é acção.

biliografia essencial

Com a Língua na Orelha
Os Três Primeiros Cadernos
Calafrio
Paisagens (em colaboração)
O Livro da Ignorância
Campos Magnéticos
Pai,Não Abra Já Essa Porta
)Condomínio(
O Que Sobra
Lira
Pastor de Pedras
Canto Chão
Ser Casa
Medula

“EPITÁFIO” de maia gomes


ahcravo_DSC_5594_quase_ep_mg
josé manuel maia gomes nasceu em espinho e morreu em coimbra, a correr no choupal, com pouco mais de 50 anos.
 
no intervalo fez a tropa, licenciou-se em electrotecnia, foi assistente, jogou xadrez, compôs música, escreveu, amou muito….
 
o maia foi poesia e nós, que convivemos com ele, somos as páginas do livro que nunca escreveu

“HAVERÁ SEMPRE FLORES NAS ÁGUAS DESTE RIO”, leonora rosado


ahcravo_DSC_5594_quase_flores_lr
biografia
leonora rosado (1971) nasceu perto de sintra.
segundo as suas próprias palavras ” procuro a nudez das palavras, o seu silêncio a sua mais alta e distante constelação”
bibliografia
Tem publicados dez livros de poesia: Dias Horizontais Noites Assim (2012, Nu Limbo Edições); O Ocaso e as Horas (2013, Nu Limbo Edições); Argila (2014, Nu Limbo Edições); A Voz Subcutânea (2015, Nu Limbo Edições); Impurezas (2016, Temas Originais); Ruptura (2016, Nu Limbo Edições); A Fenda no Sangue ( 2017, Editora Licorne); O Livro Do Sopro (2017, Editora Licorne); Trauma (2018, Editora Licorne) e Há Ténues Sinais De Cristal Nos Espelhos (2019, Edições Sem Nome).

dois poemas do livro “O FARDO DO HOMEM BRANCO”, de madalena de castro campos


ahcravo_DSC_5594_quase_dois poemas_mcc

madalena de castro campos é o pseudónimo de um autor não identificado.
 
biografia
 
“Nasceu em lisboa em 1974
 
Fez, sem muito empenho, uma licenciatura em filosofia, depois uma outra em arquitectura paisagista. Trabalha em Edimburgo, Escócia, na área de design de jardins.
 
Publica o blogue Les Cahiers de La Mariée.”
 
(informação retirada da badana do livro ” O FARDO HOMEM BRANCO”)
 
bibliografia
 
O fardo do homem branco
La marié mise à nu
A gun in the garland