“Mulheres e revolução” de maria velho da costa (quase)


ahcravo_DSC_5594_quase_revmul_mvc

os textos aqui lidos ” RECONSTITUIÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO”, “TRANSMISSÃO DE IDEOLOGIA” e “REVOLUÇÃO”, são 3 dos 7 que compõem “Revolução e mulheres”, publicado no livro “CRAVO” de 1976

(gravado no dia da morte de maria velho da costa, sob a pressão da necessidade de homenagear a autora. daí a qualidade não ser a habitual, desculpem. prometo regressar e produzir a totalidade de “Revolução e mulheres”.

diz o povo que “depressa e bem há pouco quem” , é verdade e eu não sou dos poucos de que o ditado fala. mas tinha de ser hoje.)

josé gomes ferreira no dia mundial da língua portuguesa


ahcravo_DSC_5594_quase_poemaX_jgf
no dia mundial da língua portuguesa
um poeta fundamental e tão esquecido
josé gomes ferreira
 
o “poema X” é parte do conjunto “Panfleto contra a paisagem” de 1936-1937, inserto no livro “Poesia I”

“Navegação à vela”, joaquim namorado


ahcravo_DSC_5594_quase_avnavegv_jn
poema do livro “Aviso à navegação” incluído no livro “Incomodidade”
 
biografia
 
Joaquim Vitorino Namorado nasceu em 1914 e faleceu em 1986 com 72 anos de idade. Licenciou-se em Ciências Matemáticas pela Universidade de Coimbra, Até ao 25 de Abril de 1974.
 
Exerceu o professorado no ensino particular, já que o ensino oficial, lhe fora vedado pelo facto de ser militante do Partido Comunista Português desde 1930.
 
Notabilizou-se como poeta neo-realista, tendo colaborado nas revistas Seara Nova, Sol Nascente, Vértice, etc.
 
Entre muitas outras actividades relevantes, foi redactor e director da Revista de cultura e arte Vértice, onde ficou célebre o episódio da publicação de pensamentos de Karl Marx, assinados com o pseudónimo Carlos Marques.
 
Em 1983, na sequência de uma significativa homenagem por iniciativa do jornal Barca Nova, a Câmara Municipal da Figueira, instituiu “Prémio do Conto Joaquim Namorado”, que foi suspenso por Santana Lopes, aquando o seu mandato como Presidente de Câmara
 
Publicações
 
Obra poética
 
1941 – Aviso à Navegação
1945 – Incomodidade
1966 – A Poesia Necessária (1966).

“Viver sempre também cansa!”, josé gomes ferreira


“Viver sempre também cansa” é um poema do livro “Poesia I”
ahcravo_DSC_5594_quase_viver_jgf
biobliografia
 
Escritor, poeta e ficcionista português, natural do Porto. Formou-se em Direito em 1924, tendo sido cônsul na Noruega entre 1925 e 1929. Após o seu regresso a Portugal, enveredou pela carreira jornalística. Foi colaborador de vários jornais e revistas, tais como a Presença, a Seara Nova e Gazeta Musical e de Todas as Artes. Esteve ligado ao grupo do Novo Cancioneiro, sendo geral o reconhecimento das afinidades entre a sua obra e o neo-realismo. José Gomes Ferreira foi um representante do artista social e politicamente empenhado, nas suas reacções e revoltas face aos problemas e injustiças do mundo. Mas a sua poética acusa influências tão variadas quanto a do empenhamento neo-realista, o visionarismo surrealista ou o saudosismo, numa dialéctica constante entre a irrealidade e a realidade, entre as suas tendências individualistas e a necessidade de partilhar o sofrimento dos outros. Da sua obra poética destacam-se, para além do volume de estreia, Lírios do Monte (1918), Poesia, Poesia II e Poesia III (1948, 1950 e 1961, respectivamente), recebendo este último o Grande Prémio de Poesia da Sociedade Portuguesa de Escritores. A sua obra poética foi reunida em 1977-1978, em Poeta Militante. O seu pendor jornalístico reflecte-se nos volumes de crónicas O Mundo dos Outros (1950) e O Irreal Quotidiano (1971). No campo da ficção escreveu O Mundo Desabitado (1960), Aventuras de João Sem Medo (1963), Imitação dos Dias (1966), Tempo Escandinavo (1969) e O Enigma da Árvore Enamorada (1980). O seu livro de reflexões e memórias A Memória das Palavras (1965) recebeu o Prémio da Casa da Imprensa. É ainda autor de ensaios sobre literatura, tendo organizado, com Carlos de Oliveira, a antologia Contos Tradicionais Portugueses (1958). Em Junho de 2000, foi lançada no porto a colectânea Recomeço Límpido, que inclui versos e prosas de dezenas de autores em homenagem a José Gomes Ferreira

dois poemas de manuel silva-terra


ahcravo_DSC_5594_quase_mst

de manuel silva-terra, dois poemas do livro “Campos magnéticos”

autobiografia

Nasceu no século passado numa aldeia da Beira Baixa, de parto natural feito em casa. A infância é o seu Paraíso. Frequentou o liceu de Castelo Branco, onde ganhou consciência política. Em Coimbra desenvolveu a consciência estética e começou a publicar, em Coimbra, nos Cadernos do 40, a poesia que escrevia às escondidas. A partir de então é um poço de vivências conscientes e inconscientes que procura sempre depurar no sentido de uma maior compreensão, aceitação de si e do mundo, e desenvolvimento de ligação da teoria à prática. Por isso, a poesia é acção.

biliografia essencial

Com a Língua na Orelha
Os Três Primeiros Cadernos
Calafrio
Paisagens (em colaboração)
O Livro da Ignorância
Campos Magnéticos
Pai,Não Abra Já Essa Porta
)Condomínio(
O Que Sobra
Lira
Pastor de Pedras
Canto Chão
Ser Casa
Medula

“EPITÁFIO” de maia gomes


ahcravo_DSC_5594_quase_ep_mg
josé manuel maia gomes nasceu em espinho e morreu em coimbra, a correr no choupal, com pouco mais de 50 anos.
 
no intervalo fez a tropa, licenciou-se em electrotecnia, foi assistente, jogou xadrez, compôs música, escreveu, amou muito….
 
o maia foi poesia e nós, que convivemos com ele, somos as páginas do livro que nunca escreveu

“HAVERÁ SEMPRE FLORES NAS ÁGUAS DESTE RIO”, leonora rosado


ahcravo_DSC_5594_quase_flores_lr
biografia
leonora rosado (1971) nasceu perto de sintra.
segundo as suas próprias palavras ” procuro a nudez das palavras, o seu silêncio a sua mais alta e distante constelação”
bibliografia
Tem publicados dez livros de poesia: Dias Horizontais Noites Assim (2012, Nu Limbo Edições); O Ocaso e as Horas (2013, Nu Limbo Edições); Argila (2014, Nu Limbo Edições); A Voz Subcutânea (2015, Nu Limbo Edições); Impurezas (2016, Temas Originais); Ruptura (2016, Nu Limbo Edições); A Fenda no Sangue ( 2017, Editora Licorne); O Livro Do Sopro (2017, Editora Licorne); Trauma (2018, Editora Licorne) e Há Ténues Sinais De Cristal Nos Espelhos (2019, Edições Sem Nome).