postais da ria (394)

postais da ria (394)


eternidade breve

o assassínio do futuro
condena-me a conjugar
os verbos no passado
se os nomeio

folhas secas juncam o chão dos dias
inscrevem nomes na memória
povoam o silêncio

estar vivo é saber
da morte dos outros
ser a sua eternidade breve

outra não há

torreira; regata bateiras à vela; são paio; 2013

postais da ria (389)

postais da ria (389)


caminho andado

torreira; regata de bateiras à vela; s. paio; 2013
caminho descalço
pelos dias de estar aqui
olhos abertos como mãos
em tempo de fruta madura

caminho descalço
dorido de tantos cacos
pedras vidros pregos

recuso o conforto da cegueira
auto imposta felicidade
falsa de luas inventadas

doem-me os olhos de ser 
torreira; regata de bateiras à vela; s. paio; 2013

postais da ria (379)


bom ano

corrida de chinchorros; s. paio; 2012
 queria falar-te dos dias
 do tempo cortado às fatias
 
 invenção dos filósofos padeiros
 que pão inteiro era coisa de povo
  
 queria falar-te dos anos  
 e outros pedaços maiores do tempo
  
 que nem esse para todos igual é
 falo-te da fome da doença da miséria
 de como crescem longe e perto
 escondidos ou mostrados consoante
 a notícia o exige não o ser homem
  
 queria falar-te dos dias quando o ano
 está a acabar e dizer-te que tudo
 está diferente e tudo ficou na mesma
  
 queria dizer-te que não mudei sou eu
 o mesmo de sempre desde que comecei
 a ser quem sou a ter o meu tamanho
  
 queria dizer-te que podes contar comigo
 quando os braços se juntam e é justa a causa
  
 queria dizer-te que não estou a teu lado
 nem calarei a mentira a injustiça o cinismo
  
 oiço bem vejo bem sei o que quero
 bom ano 

postais da ria (377)


sei dos dias pela luz


torreira; corrida de chinchorros; 2014
 sei dos dias pela luz

 em todos vos amo
 sem saber de datas
 nem efemérides
  
 em todos todos vos quero
 sem destrinça
 em todos os dias todos são
  
 sei dos dias pela luz
 
 dos que esperam  
 ser no calendário dia  
 digo que cegaram
 
 voo para o sol 

os moliceiros têm vela (426)


ninguém mata o que foi

torreira; s. paio; 2010
guardo o tempo no fundo
dos olhos


decoro com palavras
as imagens


nascem rostos nomes
aconteceres


não invento passados
para ser hoje


caminho leve de ter sido
porque inteiro


sou o que o tempo conta
não o que contam


abraço o sol e a noite
os dias cheios


ninguém mata o que foi