a beleza do sal (108)


“Recriação da safra à moda antiga” – foto 19

resistir

armazéns de lavos; salina do corredor da cobra; agosto 2020
 
 
 
 fez-se devagar o sal  
 ao sol
 
 
 de imagens
 a memória do como ontem  
 este hoje aqui
 
 
 resistir
 
 
 devagar o sal ao sol
 faz-se 

a beleza do sal (107)


“Recriação da safra à moda antiga” – foto 18

a estória destes dias

salina do corredor da cobra; 2020
 escrevo-te de dentro  
 do silêncio
 
 
 apenas os pássaros
 da vizinha
 
 
 cantam
 
 
 silencioso escrevo-te
 de dentro do silêncio
 
 
 digo-te
 
 
 ouvir uma porta bater
 é sinal de vida
 
 
 dos amigos chega
 pelo telemóvel
 
 
 a voz o abraço
 
 
 é esta a estória
 destes dias 

a beleza do sal (105)


“Recriação da safra à moda antiga” – foto 16

é quando o vento sopra forte

salina do corredor da cobra; 2020
 é quando o vento sopra forte
 que das árvores caem
 ramos folhas frutos
 
 
 alguns vermes
 
 
 é quando o vento sopra forte
 que as gaivotas pairam  
 poisadas no vento
 
 
 por sobre o mar  
 
 
 é quando vento sopra forte
 em dias de sol que se faz
 mais sal no talho
 
 
 mas não flor  

a beleza do sal (99)


“Recriação da safra à moda antiga” – foto 12

(salina do corredor da cobra; armazéns de lavos; agosto; 2020)

com esta publicação termina a série de fotos em que pretendi mostrar a “Recriação da safra à moda antiga”, organizada em agosto de 2020 no ecomuseu do sal, nos armazéns de lavos.


esta série só foi possível graças a três factores – trabalho, amizade e sorte – e a três pessoas – santos silva, margarida perrolas e gilda saraiva.

esparsamente irão aparecendo outras fotos deste evento mas sem o carácter que a série revestiu.

o meu abraço a todos os que com a sua amizade me permitiram fazer estes “bonecos”.

na foto os marnotos (marronteiros) e os montes de sal

a beleza do sal (96)


“Recriação da safra à moda antiga” – foto 9

salina do corredor da cobra; armazéns de lavos; agosto; 2020

com a giga carregada à cabeça a tiradeira leva o sal para o armazém

os marnotos continuam a tirar sal dos montes e a encher outras gigas